Teste rápido inovador de Covid pode ajudar na reabertura, diz pesquisador brasileiro

DA REDAÇÃO | G1

Atualmente, teste de sangue mostram quem já desenvolveu anticorpos, após o auge da infecção passar. Pesquisa desenvolvida na Austrália inova ao apontar em 20 minutos se paciente tem o coronavírus ativo no corpo, sem depender de testes moleculares mais complexos e demorados.

O pesquisador brasileiro, Rodrigo Curvello, integra um grupo de cientistas que desenvolveu uma nova técnica de teste de sangue que é capaz de identificar a presença ativa do Sars-Cov-2 em 20 minutos. Ele acredita que o teste rápido pode ajudar no processo de reabertura comercial após a epidemia de Covid-19.

“Nós acreditamos sim que esse teste auxilie na reabertura comercial, porque para fazê-lo, não precisa de muitas coisas”, disse Curvello. “Nós não criamos uma nova tecnologia, nós basicamente modificamos um teste que já existe em bancos de sangue de hospitais.”

Atualmente, os chamados testes rápidos, baseados na análise de uma gota de sangue em dispositivos semelhantes aos usados nos testes de glicemia, só registram se o paciente já gerou anticorpos (IgG e IgM). Os testes que mostram a presença ativa do novo coronavírus no corpo são aos do tipo molecular, RT-PCR, mais demorados e menos acessíveis.

A proposta dos pesquisadores é oferecer ao mercado uma solução intermediária, mais rápida do que as atuais.

Do tipo sanguíneo à Covid-19

Rodrigo Curvello explicou que é o mesmo tipo de exame feito para identificar o tipo sanguíneo dos pacientes, e por isso, tanto o maquinário como os materiais e reagentes são comuns nos centros de saúde.

“É o mesmo teste, com uma pequena diferença, em um reagente específico adicionado para dizer que você está positivo ou negativo para o coronavírus” disse ele em entrevista à GloboNews.

Curvello comentou a capacidade de se testar em massa, porque, segundo o pesquisador, em apenas uma hora ao menos 700 pessoas podem ser testadas. Mas ele ressaltou que ainda é necessário aumentar os estudos para verificar a confiabilidade do exame em mais pessoas.

“Nosso trabalho, neste momento, se preocupou em provar o conceito – é um jargão na ciência, que nós temos que provar que nossa hipótese é confiável”, disse o cientistas. “Nós provamos que realmente o teste funciona. Nos obtivemos 100% de positivos quando era para ser positivo, e conseguimos também 100% de negativos quando era para ser negativo.”

Deixe uma resposta