Percam as esperanças povo de Ibititá

POR Lauro Adolfo Silva Dourado

Em todas as novelas e filmes há a figura do vilão. Mas não é um violãozinho qualquer, desses de fazer o mal cotidiano que todos nós praticamos em maior ou menor grau. O vilão de novela e filmes é o (a) personagem cuja maldade é total, absoluta. Isso significa que ele faz o mal sem nenhum arrependimento, sem escrúpulos de qualquer natureza, e sobretudo, sem nenhum resquício de piedade. Seu prazer em prejudicar as pessoas e faze-las sofrer causa revolta e indignação, mas ninguém consegue deixar de assistir a novela porque espera que no final o bem saia vencedor derrotando o vilão empedernido. Se possível com requintes de crueldade.

É esse sentimento, esse desejo que está na raiz do cristianismo: o bem no final triunfa e os justos serão recompensados indo para o céu e os maus para o inferno.

Todavia atrevo-me a dizer que o vilão como nenhuma novela já encenou está aqui entre nós. E acompanhado por um bando de seguidores que lhe dá todo apoio. O nosso vilão, aquele malvado que pratica o mal sem dó nem piedade e que tem até prazer nisso é o sujeito que foi eleito para governar nosso município.

Perca a esperança quem espera reconsideração por ter sido afastado do emprego na prefeitura, mesmo tendo estabilidade no emprego através de concurso.

Perca a esperança quem espera que sua transferência para os cafundós do município seja revertida e volte a trabalhar onde estava lotado.

Perca a esperança quem acha que ainda vive num regime democrático e de liberdade plena onde se possa fazer críticas à sua administração sem receber nenhuma punição.

Perca a esperança quem acha que as secretárias e secretários vão interceder a seu favor, fazendo com que o ele reconsidere seus atos.

Perca a esperança quem espera que os vereadores assumam enfim seus papéis de guardiões da administração pública e pressionem o prefeito a fazer parte do mundo onde vivem o comum dos mortais.

Perca a esperança quem espera solidariedade de seus parentes que estão empregados na prefeitura.

Você está só meu amigo e no meio do deserto sem nenhum oásis à vista. O mundo agora ao seu redor é composto de pessoas mesquinhas e interesseiras.

Se você puder contar ainda com o apoio de sua esposa e filhos, você pode se considerar um felizardo. E eu lhe digo que esse seu pequeno núcleo familiar é que vai dar-lhe o ânimo necessário para fazê-lo suportar os anos difíceis que tem pela frente.

Essa nova gente que tomou conta da prefeitura, juntamente com os sanguessugas de sempre, quer vê-lo abatido, humilhado, derrotado.

Para esses carrascos não bastou a vitória nas urnas, eles querem agora derrotar seu espírito, sua alma. Querem vê-lo rastejando em busca de migalhas.

Nenhuma palavra por mais dura ou amorosa que seja, vai transformar em ser humano àquele que sempre renegou o espírito cristão.

Você está diante da face do Mal e Deus está longe. Não haverá clemência e rezar implorando aos anjos do bem não trará conforto. Você fala e não é ouvido; você clama e chora e ninguém vem secar suas lágrimas; você tenta reunir energia, mas suas forças o abandonaram.

De onde irá surgir a luz que afastará as trevas?

Esperar por essa luz talvez seja essa a única esperança que lhe resta.

“Texto escrito em janeiro de 2017. Mudou alguma coisa?” – Lauro Adolfo Silva Dourado

O site Cultura&Realidade não responde pela opinião dos artigos autorais

Deixe uma resposta