O filme ‘A Voz Suprema do Blues’ e a revelação do racismo estrutural

Chadwick Boseman (T’Challa de Pantera Negra), que nos deixou precocemente em agosto de 2020, deixando a sua marca no cinema como um dos atores mais talentosos.

COLUNISTA | Cultura&Realidade, por Diogeano Marcelo de Lima

O blues é um ritmo que surgiu nas plantações de algodão nos Estados Unidos no século 19, onde, durante a colheita, os escravos cantavam de forma ritmada, com um declamando um verso e outro respondendo.

O blues, tem esse nome por conta de a cor azul ser associada a tristeza na cultura americana da época, eram músicas melancólicas sendo a expressão genuína do sofrimento negro decorrente da escravidão e maus tratos sofridos, o blues é filho do sofrimento de milhares de escravos negros nas fazendas estadunidenses e que acabou dando origem a outros ritmos musicais como o Rock’n Roll.

O ritmo saiu dos campos agrícolas e tomou conta das cidades, fazendo muitos negros serem reconhecidos pelo talento, no entanto, esse reconhecimento não significa a diminuição do racismo, pelo contrário, apenas há uma readaptação do racismo que deixa de explorar a mão de obra escrava para explorar artistas com um pagamento inferior aos lucros gerados por seus talentos.

No início da ascensão do blues, o estilo musical era visto com maus olhos, por ser considerada “música de preto” e, portanto, somente negros é que a ouviam, no entanto, a beleza do estilo musical foi rompendo barreiras, caindo no gosto dos americanos em geral.

No início dos anos 20, a indústria do blues era extremamente misógina, havendo apenas homens se destacando como artistas do gênero. Nesse cenário, surge Ma Rainey,uma das primeiras mulheres a se destacar no meio musical como cantora de Blues, com talento inato e personalidade forte foi capaz de abrir caminho para várias outras cantoras rumo ao sucesso, sendo coroada como a “mãe do blues”.

É a partir de Viola Davisque o filme ganha vida. (Imagem: Reprodução/Netflix)

A Voz Suprema do Blues não se trata de um filme biográfico, mas é baseado em uma personagem real, Ma Rainey,interpretada por Viola Davis (vencedora do Oscar de melhor atriz coadjuvante pelo filme: um limite entre nós). A história se passa em um dia quente de 1927 na cidade de Chicago, com a gravação de um disco pela Ma Rainey e sua banda que a todo momento enfrenta os seus empresários brancos que tentam controlá-la a todo custo.

Por outro lado, um personagem ganha destaque, é o traumatizado e ambicioso trompetista Levee Green, interpretado pelo saudoso Chadwick Boseman (T’Challa de Pantera Negra). Destaque-se que, A Voz Suprema do Blues foi o último trabalho de Chadwick Boseman, que nos deixou precocemente em agosto de 2020, deixando a sua marca no cinema como um dos atores mais talentosos.

Dirigido por George C. Wolfe, é uma adaptação original da peça teatral de August Wilson, traz longos monólogos de ambos os personagens, proporcionando ao expectador uma imersão nas dores e traumas vividos pelos personagens principais apresentados, que atuam a flor da pele com uma carga emocional indescritível, especialmente pela atuação do personagem Levee Green, (Chadwick Boseman) que sem dúvidas, configurou uma despedida memorável aos fãs a altura de seu talento soberbo como ator.

Um dos motivos para ter escolhido a Voz Suprema do Blues como a minha primeira indicação de 2021 não é apenas pelo fato de gostar muito do ritmo do blues, mas também pelo que o blues significa e por toda a sua trajetória, pois não se trata de um ritmo, apenas, mas sim a expressão do sofrimento vivido por milhões de seres humanos que foram desumanizados pela escravidão.

Dessa forma, quero começar 2021 chamando a atenção para esse problema persistente que é o racismo, em todas as suas formas. Não devemos aguardar surgirem novos George Floyd ou João Beto para só então entendemos que vidas negras importam, não podemos esperar até a próxima fatalidade para falarmos sobre esse assunto. Como melhor descreve Robin Diangelo: “Não basta não ser racista, devemos ser antirracistas”, e diante todos os acontecimentos de 2020 que retrataram a persistência do nosso racismo sistêmico, este assunto deve ser debatido.

A Voz Suprema do Blues é um filme impactante, que conta com o talento indescritível de Viola Davis e Chadwick Boseman, ambos com atuação impecável, e que narra, de forma teatral, um pequeno trecho da história do blues, mostrando de forma visceral o racismo entranhado não apenas nos Estados Unidos, mas em toda América. Sem dúvidas umas das melhores obras do catálogo da Netflix! Vale muito a pena assistir.

Sugestões e Feedbacks através do Instagram: https://www.instagram.com/diogeano.marcelo.lima/

Diogeano Marcelo de Lima.
Advogado, colunista,
palestrante e pesquisador.

Instagram: @diogeano.marcelo

Não perca as publicações anteriores:

1. Resenha crítica do filme “CORRA”

2. Resenha crítica do filme “FOME DE PODER”

3. Resenha crítica do filme “ESQUECERAM DE MIM”

4. Resenha crítica do filme “ERA UMA VEZ UM SONHO”

5. Resenha crítica do filme “A INCRÍVEL HISTÓRIA DA ILHA DAS ROSAS”

  


Deixe uma resposta