A comida como substituto do afeto

Muitas vezes o desafio de buscar afeto e acolhimento fora da comida depende da disposição de tentar fazer diferente

DA REDAÇÃO | Estadão/Luciana Kotaka

Como não falar sobre comida e afeto nos dias atuais, principalmente em época de quarentena em que todos estamos carentes de afeto em algum nível.

Muitos estão afastados de seus pares, de familiares e amigos, um momento de restrição que está nos forçando a ficar em casa recolhidos sem poder usufruir de uma série de atividades que nos são prazerosas.

A comida é um dos prazeres que estão presentes dentro de nossa casa, basta dar alguns passos até a cozinha e já achamos algum alimento para dar um afago para a alma.

Desde que somos pequeninos a comida chega como um alento trazendo relaxamento e bem-estar. Depois na casa dos avós sempre tem uma comidinha especial e muito carinho, não existe comida sem afeto concorda?

Exato! Comida traz conforto, afeto e acolhimento, então é preciso estar atento à quantidade e qualidade dos alimentos escolhidos para preencher nosso corpo de nutrientes e não de comida lixo.

É claro que todos nós gostamos de comer algo que não seja tão saudável de vez em quando e está tudo bem, mas é importante não abusar, e sim buscar melhorar as escolhas a cada dia.

Sempre que esse tema vem à tona causa um certo desconforto em muitas pessoas, até porque para muitos a comida chega a ser um inimigo mortal do qual tenta se livrar a todo custo visto os ponteiros da balança que não mentem. É um conflito sem fim, um lado querendo manter o peso e o outro querendo se entregar às diversas delícias que satisfazem a alma e acalma.

Sendo assim a minha proposta é levar a reflexão de como seria possível conciliar o desejo de comer e a necessidade de afeto, para que desta forma não se ganhe peso desnecessariamente e não comprometa a saúde física e emocional.

Veja abaixo algumas opções para substituir o desejo de comer por alguma outra opção que também promova prazer:

  • Escolha uma música que te faz sentir-se bem e dance pelo menos uns quinze minutos todos os dias, desta forma sentirá prazer com a música e ficará relaxado;
  • Consuma comidinhas gostosas que sejam nutritivas e menos calóricas, fale com uma nutricionista;
  • Um chá quentinho ou um chocolate quente com canela para acompanhar uma boa leitura ou um filme;
  • Atividades como jogar baralho, montar quebra-cabeça, jogar xadrez são fortes aliados para se manter concentrado e tirar o foco no futuro, que normalmente traz ansiedade e, consequentemente, vontade de comer.

Aposto que você tem várias opções para serem colocadas em prática, que tal começar já?

QUEM FAZ
LUCIANA KOTAKA é psicóloga, colunista, blogueira e escritora especialista em comportamento humano.

Deixe uma resposta