Irecê e Região

Vitórias nas urnas e nos tribunais, consolidam liderança de Sueli Novais, prefeita de Cafarnaum

Cultura&Realidade - 21 de Agosto de 2019 (atualizado 21/Ago/2019 12h06)

file-2019-08-21115545.524500-SUELIc12bbe4a-c423-11e9-b6ac-f23c917a2cda.jpg

Prefeita Sueli e o vice-prefeito Rocha: vitória nas urnas e nos tribunais - Foto: Arquivo

As eleições de 2016 em Cafarnaum se apresentam com lances de fortes emoções até os dias atuais. Pouco tempo depois das 17h do dia 2 de outubro daquele ano, os aliados da mulher que ousou desafiar o poder político da época, ocuparam as ruas da cidade para comemorar uma vitória política histórica, com apenas 25 votos de frente.

O resultado veio depois dos seus adversários terem passado boa parte do tempo, pós-fechamento das urnas, comemorando uma suposta vitória, recebendo dinheiro de apostas e promovendo a tradicional pirraça contra seus adversários.

“De repente, por volta das 20h30, um silêncio generalizado. Nossos oponentes foram saindo de fininho, das ruas e nós as ocupamos e fizemos a verdadeira festa da vitória”, lembra Francisco Sales, atual secretário de obras e infraestrutura.

Mas a batalha estava marcada para ter novos capítulos. Insatisfeitos com o resultado final, os opositores de Sueli Novais, atual prefeita, entraram com uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo (AIME) junto à Justiça Eleitoral da 55ª Zona, com sede em Morro do Chapéu.

A coligação liderada pelo ex-prefeito Wilson Macambira não aceitou a derrota e buscou de todas as formas contrariar a mensagem das urnas. A chapa liderada por Sueli e Paulo Cezar Vaz Rocha foi acusada de abuso de poder econômico, caixa 2, compra de votos e fraude em urnas eletrônicas. Foram, até o dia 22 do mês passado, muitas batalhas entre advogados da acusação e da defesa.

Finalmente, após 2 anos e 8 meses, consagra-se mais uma vitória da mulher, agora nos tribunais. O Juiz Eleitoral Teomar Almeida Oliveira determinou o arquivamento do processo, por ausência de prova material e testemunhal idôneas.

A própria Promotoria Pública Eleitoral, a quem cabe fiscalizar o cumprimento das normas, sendo um sustentáculo na defesa dos interesses dos que buscam na justiça os seus direitos, não acolheu as denúncias feitas pelos adversários da prefeita Sueli Novais, por entender que as provas apresentadas pelos acusadores eram inconsistentes.

Com a decisão, a prefeita Sueli (na foto com o vice-prefeito Rocha) é considerada inocente de todas as acusações. “Fatos como esses se não comprovados, como não foram, poderão ensejar responsabilidade Criminal aos envolvidos por Denunciação Caluniosa, crime previsto no artigo 339 do Código Penal com pena de 2 a 8 anos de reclusão”, observa a assessoria jurídica da prefeita.

Em seu relatório, o Juiz Eleitoral Teomar Almeida destaca que a denúncia feita pela coligação liderada por Wilson Macambira não apresentou provas consistentes, inviabilizando a sequência do processo.

Até mesmo as testemunhas de acusação negaram os apontamentos feitos para tentar burlar a justiça com provas fabricadas, no intento de ganhar a eleição no tapetão. Entraram em contradição, evidenciando manipulação na tentativa de criminalizar a prefeita de atos, sobre os quais ficou comprovado, ela não praticou.

Na sentença em que inocenta a prefeita, o Juiz pontuou que “as provas e testemunhas produzidas pelos acusadores foram destituídas de veracidade jurídica. Ou seja, a prova testemunhal é frágil, contraditória, inconsistente e em nenhum momento demonstrou que os impugnados praticaram, tiveram ciência ou anuíram com as supostas condutas ilícitas, supostamente, praticadas por interpostas pessoas”, disse o Juiz em sua decisão, fechando o relatório: “Diante do exposto, por tudo mais que dos autos consta, e à luz dos dispositivos legais concernentes à espécie, em consonância com a brilhante manifestação ministerial, JULGO IMPROCEDENTES os pedidos da presente ação, por falta de suporte probatório idôneo e suficiente”, finalizou Dr. Teomar Almeida, encaminhando para suspensão do processo e arquivamento depois de transitado e julgado.

MANIFESTO DA PREFEITA
Procurada pela redação do Cultura&Realidade, Sueli agradeceu a todos os amigos, assessores e lideranças que nunca deixaram de acreditar na inocência da mesma e especialmente aos seus assessores jurídicos pelo compromisso profissional e qualidade técnica da defesa e no aspecto político ela disse: "Nossas vitórias nas urnas e justiça, são vitórias de quem quer o bem de Cafarnaum. A mentira não poderia vencer. O trabalho, a verdade e a humildade são as nossas bandeiras, disse a prefeita*

Da Redação