file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Politica

Vereadores trocam base de Elmo Vaz pela oposição e acirram a disputa pela presidência da Câmara

Cultura&Realidade - 20 de Novembro de 2018

file-2018-11-20165450.892695-vereadores24419ea8-ecfe-11e8-9991-f23c917a2cda.jpg

Vereador Tertinho e Paulinho do Destak querem a todo custo a presidência da Câmara. O primeiro responde a processos. O outro, trocou Irecê por Cidade da Barra, com fraco desempenho político por aqui. O que querem de verdade? - Fotos: Ilustração/Capturadas do Google.

Véspera de eleição da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Irecê, as movimentações políticas começam a fervilhar com vistas às eleições de 2020. Todos os grupos compreendem que a eleição da Mesa Diretora é estratégica para a próxima disputa das cadeiras na Câmara e do Poder Executivo, dada a natureza cultural do modus operandi do ambiente das disputas dos espaços de poder nos municípios.


Em 2014, as oposições se articularam e conseguiram eleger a Mesa Diretora, promovendo a primeira derrota importante ao grupo de Luizinho Sobral, então prefeito. No início do presente período legislativo, a bancada que dá suporte ao atual chefe do Executivo, Elmo Vaz, conseguiu o apoio dos vereadores Paulinho do Destak e Edilson Cachoeira.


Esta semana, os dois vereadores resolveram retornar à base de oposição, alegando que não estão satisfeitos com a gestão na área de saúde do município. Paulinho aponta outra pauta, que é a presidência da Câmara. Ele disse nas emissoras de rádio desta semana, que não abre mão da disputa pela presidência da Casa.


Pelo lado da situação, as articulações giram em torno do vereador Tertinho Libório, que se movimenta em campanha, buscando apoios dos colegas, mas tem enfrentado forte rejeição. Expedito Moreira, que saiu da oposição para a base governista no ano passado, também deseja a presidência. 
O atual presidente Rogério Amorim, “Figueiredo”, mantem-se em silêncio. Seria ele o nome praticamente unânime, mas regulamento interno da Câmara impede a reeleição e há também um acordo de que Tertinho seria o “bola da vez”.


Vereadores aliados ao grupo sobralista não aceitam a imposição de Paulinho e ameaça constituir a ala dos independentes, assim também ocorre na base governista. Tem vereadores que não concordam com a indicação de Tertinho, visto que o mesmo responde processo por improbidade administrativa, por possíveis irregularidades praticadas quando presidente.