IRECÊ

Trecho da pavimentação da 1° de Janeiro, será refeito pela política de garantia da construtora

Cultura&Realidade - 13 de Abril de 2020 (atualizado 13/Abr/2020 18h34)

file-2020-04-13155424.778831-pista31991b98-7db8-11ea-8fae-f23c917a2cda.jpg

Trecho da reforma que foi danificado - Foto: Olga Lara/Cultura&Relidade

Um trecho da Avenida 1° de Janeiro, que fica no semáforo ao lado do Centro Médico Minaura Machado Moreira, tem sido a dor de cabeça da secretaria de infraestrutura do município. “Local bastante transitado, por ser a principal via de interligação entre rodovias e a mobilidade urbana da cidade, sempre que chove ocorre alí encontros das águas que vem de diversas áreas da cidade”, diz o atual secretário de obras e infraestrutura, Osvaldo Novais.

Ele disse que assim como em outras áreas, onde a intervenção foi bem sucedida, tentou-se adotar a pavimentação com intertravado, tecnologia que está dando boas respostas nas obras do município. “Porém, aquele trecho, além da umidade, recebe intenso trânsito de transporte de cargas, como carretas e bitrem. A reforma recente não suportou a chuva e o peso e uma pequena parte cedeu. Mas a empresa responsável pela obra, como ainda está em garantia, assumiu a responsabilidade da revisão”, explica o secretário.

Em nota, a Fapesy, empresa responsável pelo serviços, de Fabiano Pereira da Silva, ressaltou o seu “compromisso com a qualidade dos serviços prestados pela empresa, a qual presa pela eficiência e durabilidade dos serviços e obras realizadas, tanto é, que adota como política de garantia, o prazo de cinco anos, transmitindo segurança para os clientes”, disse.

Fabiano salientou ainda que “essa garantia também é assegurada em obras públicas, mesmo em casos fortuitos e de força maior, que acontecem, como a ação provocada pelas fortes chuvas na primeiro de janeiro, onde, é de conhecimento público, o fato que aquele trecho sempre necessitou de intervenção do Poder Público em razão da ação das águas. Firmamos o compromisso de refazer o piso intertravado, sem nenhum ônus para o Município de Irecê, principalmente por acreditar que toda empresa responsável deve assumir os riscos dos serviços realizados”, concluiu o empresário.

Da Redação