Saúde

SUS: Tratamento de Alzheimer com adesivo já está disponível

Cultura&Realidade - 28 de Janeiro de 2019

file-2019-01-28114519.006474-alzheimer-adesivo-e1534974613780550d6c54-230b-11e9-80ca-f23c917a2cda.jpg

Adesivo transdérmico usado no tratamento do Alzheimer Foto: Divulgação

Uma nova forma de tratamento para o Alzheimer está disponível no SUS. O remédio rivastigmina, já disponibilizado em comprimido e solução oral, agora também é disponibilizado em forma de adesivo transdérmico.


A rivastigmina, é um composto que aumenta a quantidade de acetilcolina, uma molécula neurotransmissora que ajuda o sistema nervoso a processar informações. O problema é que bastante pacientes relatam sentir efeitos colaterais no sistema digestivo, depois de ingerir as versões em comprimido e solução oral do remédio.


Perda de apetite, náuseas e até vômitos são os efeitos colaterais que podem ser evitados com o uso do adesivo, através do qual a rivastigmina é absorvida pela pele e chega à corrente sanguínea. Além disso, o adesivo faz com que a substância seja liberada ao longo de 24 horas, o que evita a chamada flutuação de dose, quando a medicação tem aumentos e diminuições de presença no organismo conforme o corpo a metaboliza.


Os médicos recomendam que se faça um revezamento nas partes do corpo em que o adesivo é colocado, para evitar possíveis reações na pele. Não custa lembrar que é necessário consultar especialistas para obter orientações sobre o uso deste e de qualquer remédio contra o Alzheimer.


Além disso, os medicamentos não são a única arma para combater a doença. O diagnóstico precoce é fundamental para começar o tratamento antes que o Alzheimer cause muitos danos irreversíveis ao sistema nervoso, e tratamentos como terapia ocupacional e atividades como jogos de tabuleiro, eletrônicos ou quebra-cabeça também ajudam a adiar o avanço da enfermidade.

Da redação, com informações do site Hypeness