file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Bahia

Sindicato cobra do governo estadual salários atrasados de terceirizados da Educação

Rodrigo de Castro Dias - 26 de Julho de 2017

Ana Angélica Rabello, do Sindilimp BA

Foto: coordenadora geral do SindilimpBA, Ana Angélica Rabello (Divulgação)

Redação Cultura&Realidade

Mais de 1,3 mil trabalhadores terceirizados das empresas MA2 e Staff, que prestam serviços para a Secretaria Estadual de Educação (SEC), estão sem receber seus vencimentos desde o dia 30 de maio. A informação é da coordenadora-geral do SindilimpBA, sindicato que representa os terceirizados na Bahia, Ana Angélica Rabello. Nesta terça-feira (25), Ana apontou que ainda não foi confirmado qual é o regime de contratação dos profissionais e que muitos têm suas funções desviadas.

“Esses trabalhadores estão sem receber salários, vale transporte e vale alimentação e estão desempregados, parecem escravos, nem sabem como estão contratados. Desde o dia 30 de maio sem receber nada, ninguém fala nada. No último movimento que o sindicato fez, o chefe de gabinete e o chefe de fiscalização da SEC disseram que os trabalhadores estariam no Reda, mas como, de qual maneira isso aconteceu?”, questiona a sindicalista.

Conforme Ana Angélica, na empresa MA2 são mais de 450 profissionais que fazem a merenda escolar em colégios e escolas estaduais e na Staff são 850. “Era para ser atividade de asseio, pois o objeto do contrato é manutenção, só que os trabalhadores são desviados para várias funções, merendeiras, cozinheiras, apoio, e auxiliar de serviços gerais”, completa.

Com informações do Sindilimp