BRASIL

Sexta edição da Marcha das Margaridas pretende reunir cerca de 100 mil mulheres em Brasília

Cultura&Realidade - 13 de Agosto de 2019

file-2019-08-13103653.865357-marcha6993e2de-bdcf-11e9-9625-f23c917a2cda.jpg

Marcha das margaridas de 2015, em Brasília - Foto: Mídia Ninja

Esta em andamento hoje (13) a Marcha das Margaridas, na capital federal, que amanheceu sob o olhar atento das cerca de 100 mil participantes. O ato reúne especialmente mulheres do campo, da floresta e das águas. A programação inclui atividades culturais, formativas e políticas ao longo desta terça, anunciando a chegada da tradicional passeata, que percorre a Esplanada dos Ministérios na quarta (14), a partir das 7h.

Em sua sexta edição, o evento traz este ano uma plataforma política em vez de uma pauta.  O documento, produzido a partir de diálogos e debates com mulheres da base, reafirma a defesa de temas como a terra, a água, as práticas agroecológicas, as políticas de educação e saúde, o combate à violência de gênero, além da Previdência Social, hoje no centro da principal queda de braço no Congresso Nacional.

“É uma plataforma que anuncia qual é o modelo de sociedade que as mulheres defendem. Esse documento tem a cara das mulheres de todo o Brasil”, afirma a coordenadora da Marcha, Mazé Morais, da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura (Contag).

O movimento se traduz na mais importante mobilização conjunta de mulheres da América Latina, além de contar com um raio de apoio que extrapola os limites do continente. Ao todo, a passeata vai contar com representantes de cerca de 26 países, como Uruguai, Paraguai, Argentina, Chile, Guatemala, Austrália, Inglaterra, Suíça e Quênia.

“Pra gente, [isso] é extremamente importante porque potencializa nossa luta como trabalhadoras rurais. As nossas reivindicações acabam sendo convergentes, não muito diferentes. Os problemas que a gente tem no Brasil nos outros países as mulheres vêm sofrendo”, afirma Mazé Morais.

Uma homenagem à Margarida Alves

Nomeada em referência à líder sindical paraibana Margarida Alves, assassinada em 1983 a mando de latifundiários, a marcha é espaço para o compartilhamento de dramas comuns e para a vocalização dos anseios que pautam a luta das trabalhadoras. A experiência e a força da trajetória da paraibana servem hoje de farol para iluminar os passos das mais de 100 mil mulheres que são esperadas no evento.  

“Ela foi uma grande lutadora e tinha muita coragem pra lutar por direitos. Isso cada vez mais, sobretudo no momento que a gente está vivenciando agora, nos dá mais força, mais coragem pra continuar lutando pelos direitos da classe trabalhadora, sobretudo os das mulheres”, frisa Mazé Morais.


A coordenadora também celebra a união com as participantes da 1ª Marcha das Mulheres Indígenas, evento que ocorre desde a última sexta (9), também em Brasília (DF), e que realiza uma passeata nesta terça (13). Uma dobradinha entre elas fará com que parte das trabalhadoras da Marcha das Margaridas prestigie a programação das indígenas, bem como o oposto está programado para ocorrer na quarta (14), numa caminhada conjunta pela Esplanada.

“Acho que vai ser um momento muito simbólico. Isso mostra, mais do que nunca, que a gente precisa, pra romper, pra conseguir superar toda a desigualdade e os retrocessos, estar juntas. Mais do que nunca, essa unidade nos fortalece e nos potencializa”, finaliza.

Da redação, com conteúdo do Brasil de Fato