file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Bahia

Reunião traça medidas para reduzir impactos no Rio São Francisco após ameaça da lama de Brumadinho

Cultura&Realidade - 12 de Fevereiro de 2019 (atualizado 12/Fev/2019 11h22)

file-2019-02-12100705.373127-f2d537af-f5c8-45fb-9966-1d325dfa263d185e973e-2ec7-11e9-87b9-f23c917a2cda.jpg

Nusf realiza reunião para discutir possíveis impactos ao Rio São Francisco, após rompimento da barragem de Brumadinho Foto: Divulgação

Por Nilma Gonçalves - Jornalista/Ascom-FPI

O Núcleo de Defesa da Bacia do Rio São Francisco (Nusf), órgão do Ministério Público da Bahia (MP-BA), realizou, nesta segunda-feira, uma reunião para discutir os possíveis impactos ambientais no braço baiano do Velho Chico, após o rompimento da barragem da Vale, em Brumadinho (MG). O evento contou com representantes de órgãos públicos - Ibama, Funasa, Agência Nacional de Mineração (ANM), Defesa Civil, Diretoria de Vigilância Sanitária e Ambiental (Divisa) -, além de entidades da sociedade civil, professores e universitários. 


Segundo os estudiosos, a lama não deve chegar na Bahia, mas a água carregada com os metais, mais cedo ou mais tarde, afetará o São Francisco. "A ideia é trabalhar na prevenção, de modo que sejam adotadas todas as medidas para impedir que a lama chegue ao São Francisco, na sua porção baiana. Desta forma, os monitoramentos da água e da fauna aquática precisam ser realizadas", explica a promotora Luciana Khoury, coordenadora do Nusf e da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI). Durante a reunião, foi definida a realização de uma audiência pública na região de Bom Jesus da Lapa, oeste da Bahia, que é banhada pelo São Francisco. A Promotoria Regional Ambiental vai instaurar um inquérito civil para acompanhar os impactos no local. 


O MP-BA deve cobrar, ainda, a realização do monitoramento constante da água e da fauna aquática, nos parâmetros de todos os possíveis contaminantes e metais pesados. 


Também será instalado um comitê interinstitucional para implementação de ações do Vigidesastre, programa da Divisa voltado para populações expostas a desastres. 


Os presentes na reunião destacaram, ainda, a necessidade de medidas firmes de combate à qualquer tipo de flexibilização da legislação ambiental. 
No dia 25 de fevereiro, uma mobilização organizada pelo Movimento dos Atingidos por Barragens, a ser realizada em todos os municípios da bacia do São Francisco, será fortalecida também em Salvador, com uma manifestação na Praça da Piedade, ao meio-dia.