file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Cultura, Esporte e Lazer

Resenha à obra Haicais para Davi, de Robério Pereira Barreto

João Gonçalves - 07 de Março de 2017 (atualizado 28/Jun/2017 16h55)

No próximo dia 10, sexta-feira, às 19h, o auditório da Uneb - Campus XVI - Irecê-BA, será palco do lançamento da nova obra do poeta e Doutor em Educação, Robério Barreto. Veja nesta resenha da também doutora em educação, professora Cenilza Santos

Resenha à obra Haicais para Davi, de Robério Pereira Barreto

Por Cenilza Santos*

Robério Pereira Barreto é doutor em Educação (UFBA), Mestre em Educação e Contemporaneidade (UNEB), Licenciado em Letras (UNEMAT). Professor e pesquisador na área de literatura e tecnologias da comunicação e informação. Pai de Davi.

Um livro que transpira amor! Acho essa a real definição da obra de Robério Barreto. Um amor ao pequeno que lhe inspirou à literatura que faz parte do seu cotidiano e, por que não, ao papel político que esse dois temas transbordam. Amar, poetar e alimentar a alma.

Esse livro evidencia a importância oferecida à brejeirice infantil, que também são recheadas de amor, poesia, arte e política, porque a criança necessita disso tudo para crescer e desenvolver sua inteligência. O mais interessante e bonito da obra foi à escolha de um estilo poético não tão popular à literatura infantil. Isso é o inédito do seu texto. A beleza do haicai que diante da sua simplicidade integra e necessita de uma compreensão intensa para entendê-la. Essa crença na simplicidade e no belo faz a obra grande.

A inspiração à escrita de Haicais para Davi (2016) é baseada na estética e no gênero Japonês, HAIKÚ, que têm como criador, o poeta japonês Bashô. HAICAI como ficou escrito na língua portuguesa, segundo estudiosos da tradição. Tal gênero poético é constituído de três versos, o primeiro e o terceiro verso são pentassílabos (formados por cinco sílabas poéticas) e o segundo é heptassílabo (constituído de sete sílabas). Robério Barreto demonstra não seguir essa tradição, uma vez que seus poemas seguem, digamos, a estética do coração; a palavra carregada de essência, de amor e de afeto.

A temática de Haicais para Davi (2016) é o amor à puerícia, às brincadeiras e às memórias captadas em pequenos flashes de brejeirices de um menino ativo, apreendida por um pai-poeta que, em suas andanças, sentindo saudades de sua cria, as transformou em versos.

Além disso, Robério Barreto lança mão a uma catarse e deixa em alguns poemas a fala de Davi vir à tona, inclusive, mantém os “desvios” gráficos para permitir a fonética do pequeno príncipe ao perceber um casal de periquitos numa gaiola. Robério se permite suprimir o “r” de uma palavra para dar maior sinestesia à obra.

“Passarinho preso

acostuma viver no cácere,

não sabe ser livre.”

(BARRETO, 2016, p. 24).

 

Robério brinca com as paisagens do sertão, mostrando poeticamente os elementos que vão do sertão ao litoral: sertão apresenta-se a partir do canto do sabiá, pôr do sol do sertão, as montanhas; do litoral vêm o cheiro do mar, o movimento das ondas.

Todo esse conteúdo verbal é retratado visualmente pelas ilustrações de Laiana Vieira que, num ato sinestésico, captou a essência do ato verbal do texto, repoetizando-no numa tradução interssemiótica perfeita. Então, Robério Barreto entrega ao leitor um “livrinho” com 64 poemas de pura poesia-amor, considerando que amar é a expressão do simples, do infantil, do inocente.

A obra está composta numa estética e num acabamento e uma composição quase artesanal, considerando seu formato apropriado para o manuseio das crianças. A imagem apresenta-se intercaladas pelos poemas.

É uma produção que liberta a infância, que acredita em sua potencialidade e cuida para que outras crianças tenham a oportunidade de viver, compreender e se divertir com o seu dia a dia. Uma obra destinada as crianças, para elas se lerem, se identificarem, se divertirem, sorrirem.

*Pedagoga e Doutora em Educação