Irecê e Região

Quilombo Volta Grande abre debates no mês da Consciência Negra, em Barro Alto

Cultura&Realidade - 12 de Novembro de 2019

file-2019-11-12104154.240035-capa3034218c-0552-11ea-853d-f23c917a2cda.jpg

Comunidade Quilombola Volta Grande em caminhada para o seminário que debateu a conjuntura de politicas públicas afrodescendentes - Foto: Uilson Viana

Por Uilson Viana*

Mutirões, preparação de hospedagens, terreiros varridos anunciavam a preparação para o 9º Seminário e Festa da Consciência Negra que ocorreu na comunidade quilombola de Volta Grande, no município de Barro Alto, no Território de Irecê, nos dias 01 e 02 de Novembro de 2019. Tendo como entidade executora, a Associação dos Remanescentes de Quilombos de Volta Grande, a (AUNIAFRO), em parceria com a Secretaria de Promoção da Igualdade Racial, a (SEPROMI) e apoio da Prefeitura Municipal e das secretarias de Educação e Assistência Social.

Oficinas de Turbante, de confecção da boneca Abaomy, de maquiagem e fotografia afro, além de palestras sobre programas sociais e recreação com as crianças abriram a programação logo no inicio da tarde de sexta feira (01), sob a coordenação da equipe do CRAS da Secretaria de Assistência Social do município.

A abertura oficial do Seminário aconteceu às 19 horas e ficou por conta da mesa de abertura que buscou resgatar a importância e contribuição do ativismo das Comunidades Eclesiais de Base (CEB,s), no trabalho de formação e organização comunitária e dos quilombos no Brasil.

Já no Sábado (02), a programação deu continuidade a partir das 7:30 da manha com a acolhida às comunidades e participantes, onde foi servido um café comunitário na Igreja Católica, o qual foi precedido de uma oração ecumênica . De lá, os participantes saíram em caminhada pelas ruas da comunidade, ecoando gritos, cantos, rufando tambores, atabaques e músicas populares da caminhada, até chegarem ao destino final, a quadra poliesportiva, no centro da comunidade.

O cenário preparado pela equipe organizadora reservou lugar para o artesanato regional, pela memória das lutas, dos movimentos e dos projetos anteriormente realizados pela AUNIAFRO, representada em fotos, faixas, bandeiras, documentários, camisetas, publicações, dentre outras.

Na acolhida aos participantes, falei sobre a Década Internacional e Estadual Afrodescendente e a aprovação do projeto da AUNIAFRO no edital da SEPROMI, tendo como temas centrais a questão da Educação Quilombola, a Intolerância Religiosa e o Racismo. Em seguida foi aberta a sessão de mesas temáticas, onde buscou discutir tais questões, além de abordar sobre as políticas afirmativas e as lutas do movimento quilombola, tendo como debatedores, lideranças quilombolas, ativistas, professores e representantes dos conselhos territorial, estadual e nacional das comunidades e associações quilombolas, a exemplo do CEAQ,CENAQ e CONAQ.

As discussões foram intercaladas por apresentações culturais, rodas de conversa e uma novidade: a roda de leitura de obras literárias infantis com personagens negros e negras para as crianças.

As atividades culturais ficaram por conta do desfile da beleza negra, da dança de grupos afro, de apresentações de cantos e rodas de capoeira, encerrando com o show da cantora e ativista negra, Neide Vital. O seminário encerou com a entrega de certificados e os agradecimentos por parte do presidente da Associação e coordenador do projeto, o senhor Luis Carlos Viana de Souza, o qual reforçou a importância da realização do evento e o empenho de todos.

O seminário significou a afirmação identitária da luta do povo preto e quilombola de Volta Grande e de todo o Território de Irecê, além de ter conseguido mobilizar 16 comunidades quilombolas dos municípios de Barro Alto, Gentio do Ouro, Lençóis, Souto Soares, Ibititá, Camamu, Canarana, Itaguaçú da Bahia, Ibipeba e Bom Jesus da Lapa, vindos de diversos territórios de identidade do estado da Bahia.

O trabalho de mobilização que começou logo cedo nas comunidades quilombolas de Barro Alto e nas escolas que estudam crianças e jovens quilombolas serviu de base para planejarmos este grande momento de encontro, animação, formação e memória de nossa ancestralidade negra e quilombola.

*É jornalista e Mestre em estudos afrodescendentes.

Flashs do Encontro

Fotos: Uilson Viana