file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Bahia

Produtor de Ibicoara levou o primeiro lugar em concurso da Associação Brasileira da Industria do Café

Cultura&Realidade - 20 de Fevereiro de 2019

file-2019-02-20110457.189960-cafe8109ff56-3518-11e9-87b9-f23c917a2cda.jpg

Café da Chapada, qualidade e saber inigualável - Foto: Ilustração

Por: Nara Zaneli/Agência Sebrae de Notícias

O cafeicultor Joel Marques de Oliveira foi o grande vencedor do 15º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café. O microlote da Fazenda Brejos dos Aguiar, em Ibicoara (BA), na Chapada Diamantina, obteve nota final de 8,63 pontos (em uma escala de 0 a 10), com a soma dos júris Técnico e de Sustentabilidade. O titulo coloca a Bahia, mais uma vez, como um dos grandes produtores de café do Brasil.

O certame, promovido pela Associação Brasileira da Indústria de Café (ABIC), teve nove lotes finalistas, todos inscritos pelos organizadores dos concursos estaduais realizados no Paraná, Bahia, Minas Gerais e São Paulo.

Joel participa do grupo de produtores que são atendidos pelo projeto Café Chapada Diamantina, desenvolvido pelo Sebrae na região. O produtor participa do contrato de parceria entre a Fazenda Progresso e o Sebrae, que celebra várias soluções, entre elas o Sebraetec de Boas Práticas Agrícolas.

Cursos, capacitações, feiras, certificações e missões para outros estados são realizadas pelo Sebrae para capacitar os agricultores e fomentar a produção do café especial, que está sendo destaque em várias competições nacionais e internacionais.

Para o agricultor, o trabalho árduo, o clima da Chapada e as certificações conferem ao Café da Chapada esse toque único e diferenciado. “Estamos trabalhando para melhorar sempre. Fico muito feliz com esse prêmio, mas só me incentiva a buscar outras formas de aprimorar a nossa produção, inclusive com participação em cursos e capacitações que serão realizadas pelo Sebrae”, afirma Joel.

Para a gestora de Projetos do Sebrae em Seabra, Márcia Serra, os resultados positivos dos cafeicultores da região vêm do esforço diário dos produtores, que buscam se adequar às regras da certificação e aos desafios do mercado, motivando também outros empreendedores produtores a procurarem capacitações e consultorias especializadas.

“Estamos atendendo os produtores da Chapada Diamantina e sempre trazendo ferramentas importantes de gestão e qualidade. Na próxima semana, vamos começar com  a consultoria de Qualidade Total Rural, que foca na organização do ambiente de trabalho, diminuindo desperdícios, preservando o meio ambiente e a saúde das pessoas, com maior satisfação e melhor autoestima”, explica.

Outra amostra de café premiada foi a da produtora Anália Luz de Alcântara, do Sítio Boa Vista, também em Ibicoara. O Café da produtora ficou em sétimo lugar, com a pontuação de 8,44.

Para o gerente regional do Sebrae em Irecê, Edirlan Souza, a premiação só comprova a qualidade do café produzido na Chapada. “Estamos felizes com mais esta conquista. O Sebrae é parceiro dos produtores e vai continuar apresentando soluções importantes para os agricultores, como a certificação, consultorias e capacitações específicas”, diz.

O concurso

A etapa do Júri Técnico do 15º Concurso Nacional ABIC de Qualidade do Café foi realizada na última terça-feira, 12 de fevereiro, no laboratório do Sindicato das Indústrias de Café do Estado de São Paulo (Sindicafé-SP). Os lotes finalistas foram avaliados quanto a Qualidade Global, conforme metodologia do PQC – Programa de Qualidade do Café, atribuindo-se uma pontuação de Zero a 10 pontos para cada um.

O resultado do Júri Técnico corresponde a 90% da nota que, somada com a avaliação das práticas sustentáveis na propriedade, compõe a nota final.

O júri técnico foi composto pelas especialistas Camila Régia Arcanjo Teles e Isabela Cristina Abreu do Monte, do Grupo de Avaliação de Café (GAC), do Sindicafé-SP; e por Aline de Oliveira Garcia, Gina Maria Bueno Quirino Cardozo e Kátia Maria Cipolli, representantes do Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL).

O Programa de Qualidade do Café, criado em 2004, certifica a qualidade do produto por meio de uma metodologia de análise sensorial e classifica e diferencia os cafés em quatro categorias:  Extraforte, Tradicional, Superior e Gourmet.

Além de certificar o produto, a empresa é auditada quanto às boas práticas de fabricação de todo o processo de industrialização, para garantir a consistência da avaliação.