Irecê e Região

Prefeitura de Irecê adota ações de emergência. Cidades à beira do São Francisco sob ameaça

Cultura&Realidade - 09 de Março de 2020 (atualizado 09/Mar/2020 17h16)

file-2020-03-09170547.446329-capa25dcf139e-6241-11ea-9b89-f23c917a2cda.jpg

Casas afetadas por águas das chuvas em Irecê. Moradores estão recebendo acompanhamento da assistência social - Foto: Moradores

Em todo o País, as chuvas surpreenderam este ano e os sertanejos estão felizes em ver rios e veredas que há muito tempo não corriam águas, e que agora estão cheios. “Sou filho de agricultor que aprendeu a pedir a Deus, chuvas todos os anos. Estou com 25 anos e nunca vi uma chuva deste tanto”, diz Luiz Ferreira, de São Gabriel. “Nunca vi este Baixão tão cheio”, reforçou, mostrando imagens do riacho intermitente, que passa pela cidade.

Em todos os municípios as chuvas superaram os 120mm de precipitações, somente neste final de semana. No acumulado do atual período chuvoso, a média deve se aproximar de 230mm de chuvas nos últimos 30 dias.

Na região de Jussara, veredas e riachos que acumulavam pouco volume de água nos últimos 20 anos, estão cheios e passagem para algumas localidades estão impedidas.

Povoados como Ipanema, em América Dourada estão com diversas casas inundadas pelas águas e as pessoas pedindo socorro das representações políticas locais.

Em João Dourado residências desabaram em razão das fortes chuvas. Felizmente ninguém se feriu. Prefeito Celso Loula decretrou situação de emerg|ência e pediu auxílio do estado e do governo federal. Na BA 052, depois do contorno de acesso a Cafarnaum, no sentido América Dourada/Morro do Chapéu, pedras e terra desceram da encosta, oferecendo risco de acidentes.

Na cidade de Irecê, o prefeito Elmo Vaz determinou a todo o secretariado a permanecerem em situação de alerta para ação imediata junto à população nos diversos bairros afetados pelo excesso de água.

Os secretários, sob a coordenação do vice-prefeito Erício Batista, dos secretários de governo Jazon Junior, de Infrestrutura Figueiredo e de Assistência Social Rafael Sydartha, se reuniram na manhã desta segunda-feira, 9, e definiram as estratégias de intervenção, visando assegurar atendimento à população nas diferentes dimensões de necessidades.

Equipes técnicas da assistência social estão visitando as áreas afetadas para levantamento das demandas imediatas das famílias atingidas e adotando as providências necessárias, visando oferecer as condições de segurança e bem-estar social, frente às perdas ocorridas.

Homens e máquinas da Infraestrutura estão atuando nos trechos mais críticos, visando a redução dos efeitos de águas represadas acima do habitual, de modo a resolver problemas de inundações.

A Superintendência de Trânsito do Município sinalizou todos os trechos críticos que só poderão receber obras de restauração com o início da estiagem.

A Defesa Civil está de plantão para receber chamados da população, através do telefone 74 3688-6530, e assim monitorar as demais estruturas do governo para o mais ágil atendimento.

“Estamos atentos para os casos de maior emergência, oferecendo toda a assistência possível. Me encontro em Salvador, onde estou articulando com nossos deputados e órgãos estaduais, o suporte necessário para as medidas que precisam ser adotadas, para além das que são de competência e capacidade do município”, disse o prefeito Elmo Vaz, por telefone, à redação do Cultura&Realidade.

Assistência social em campo, cadastrando famílias afetadas 

Algumas ruas estão intrafegáveis

Vice-prefeito Erício Batista com secretários, definindo ações de emergência

Máquinas da Infraestrutura desde cedo minimizando os principais problemas

 

CIDADES À MARGENS DO RIO SÃO FRANCISCO PODERÃO SER INUNDADAS - As comportas do reservatório de Três Marias, em Minas Gerais, foram abertas pelo excesso de volume hídrico. Em Bom Jesus da Lapa, Ibotirama e Xique-Xique, o rio chegou ao seu limite de margens, o que não ocorria nos últimos 30 anos e ameaça inundar vários empreendimentos e residências. “Quem viveu as enchentes do final da década de 70, fica apreensivo”, diz Valmir Almeida, 71 anos, aposentado que reside em Xique-Xique, que em 1979, navegou de canoa em frente à Igreja Católica, no centro de Xique-Xique, ano em que milhares de desabrigados tiveram que receber ajuda de toda a região e do Estado.

 

Veja no vídeo a primeira abertura das comportas das Três Marias

 

 

 

As fortes chuvas e o alto nível dos reservatórios fizeram com que a Cemig – Compahia Energética de Minas Gerais, que gerencia o reservatório Três Marias, abrisse ainda mais, na última quarta-feira (4), as comportas da Usina Hidrelétrica de Três Marias, na região Central do Estado, para evitar transbordamentos nas regiões banhadas pelo rio São Francisco.

No dia 28 de fevereiro, após quase oito anos, as comportas da hidrelétrica já haviam sido abertas devido às fortes chuvas do período de Carnaval. O vertimento máximo foi de  840 m³/s, o que somado à vazão que passa pelas máquinas de geração, totalizava cerca de 1.500 m³/s. Agora, vertimento foi ampliado para quase o dobro, com 1.400 m³/s, totalizando uma defluência de 2050 m³/s.

O cenário de afluências elevadas, segundo a Cemig, permanece até o dia 10 de março, com previsões de afluências superiores à 3000 m³/s. “Informamos que estamos monitorando constantemente as afluências e vazões incrementais para Pirapora e, se necessário, novas comunicações serão realizadas para atualizar sobre a operação do reservatório”, informou o órgão. Ou seja, não se descarta ampliação da abertura das comportas, o que amplia anda mais o volume de água do Rio São Francisco.

Da Redação