CORONAVÍRUS

Preços abusivos na venda de produtos de higienização em Irecê e região, devem ser denunciados

Cultura&Realidade - 17 de Março de 2020 (atualizado 17/Mar/2020 18h23)

file-2020-03-17181227.112547-gel0119fd72-6894-11ea-b070-f23c917a2cda.jpg

Produtos de higienização para combate ao Coronavírus estariam sendo estocados e vendidos com preços abusicos em Irecê - Foto: Ilustração

Da redação/João Gonçalves

 

Diversos consumidores do comércio de Irecê e outras cidades da região iniciaram, na tarde desta terça-feira, 17, diversas reclamações denunciando em grupos de WhatSapp, práticas mercenárias por parte de alguns comerciantes dos ramos de supermercados e farmácias, que estariam aumentando os valores dos produtos de higienização, como álcool 70 e álcool gel, por ocasião da elevada procura, por conta do Coronavírus.

Anailton Fidelis disse que passou pela manhã de sexta-feira, 13, em um supermercado de Irecê, e um pote de álcool gel que custava R$ 11,90 passou a custar R$ 19,99 duas horas depois, um aumento de 68% em poucas horas, sem nenhuma justificativa econômica.

Outras denúncias apontam empreendedores retendo estoque dos produtos, visando a venda quando a procura estiver mais aquecida, no intuito de explorar o desespero das pessoas. Seria muito importante que as entidades de representação dos seus segmentos, os orientassem quanto aos procedimentos adequados.

O Coronavírus é algo que está abalando todo o mundo, gerando situações de desespero em muitos lugares. As notícias de práticas mercenárias, com preços abusivos de produtos de primeira necessidade, que visam tentar conter a proliferação da pandemia, revelam uma postura de estremo desalinhamento com os princípios de solidariedade humana, fundamentada na usura e vantagens financeiras sob a tragédia alheia, e não podem ser bem acolhidas pela sociedade como algo normal.

Os mercenários devem ser apontados, para que recebam o devido julgamento social e juridico, uma vez que a prática de preços abusivos é considerada crime, conforme previsão do Código de Defesa do Consumidor, especialmente quando se trata de oportunismo comercial, em razão de tragédias.

Que as pessoas que testemunharem estas práticas se apossem de provas e apresentem denúncias junto à Delegacia de Polícia e ao Ministério Público, e que não tenham receio de denunciar nos meios de comunicação e nas redes sociais.

Um pouco mais de humanidade faz bem.

Que possamos superar os desafios do Coronavírus e, ao final, possamos olhar nossas práticas e compreendermos que superamos e ficamos maiores, enquanto sujeitos sociais.