file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Festival Gastronômico Paladares do Sertão

Populares de Ibititá repudiam ato do vereador Paulo Dourado

20 de Fevereiro de 2016

Presidente-da-Câmara-Cesar-Mendes-recebe-Moção-de-Repúdio-contra-Paulo-Dourado1.jpg [caption id="attachment_3937" align="aligncenter" width="500"]Presidente da Câmara, Celson Marques, recebe Moção de Repúdio contra Paulo Dourado Presidente da Câmara, Celson Marques, recebe Moção de Repúdio contra Paulo Dourado[/caption] Cerca de 120 moradores das comunidades de Lagoa do Zé Mendes, Batatas e povoados circunvizinhos, localizados na zona rural de Ibititá, lotaram o auditório da Câmara de Vereadores, durante Sessão Ordinária na manhã desta sexta-feira, 19, para fazerem uma Moção de Repúdio contra o Vereador Paulo Dourado. Em ato, os manifestantes entregaram ao presidente da Câmara, vereador Celson Marques, um abaixo assinado contendo 178 assinaturas de moradores das comunidades citadas, repudiando a denúncia feita pelo vereador ao Ministério Público Federal, contra a administração do prefeito Cafu Barreto, em razão das construções de unidades escolares naquelas comunidades. O vereador denunciou a Prefeitura ao Ministério Público Federal (MPF), por compreender, segundo os manifestos, que as comunidades eram muito pequenas para receberem os prédios na dimensão que estavam sendo construídos. Na denúncia, ao citar a escola construída em Lagoa do Zé Mendes, tentando justificar a falta de necessidade da obra, o vereador alega que a comunidade é pequena. Já em Batatas, comunidade quilombola, Paulo Dourado disse que a escola, que possui seis salas de aula, é desnecessária pelo tamanho da comunidade. No manifesto entregue à Câmara, os moradores, inconformados com a atitude do vereador, afirmam que “numa ação descabida, insensível e carregada de movimentação política, o referido vereador encaminhou representação ao Ministério público Federal (MPF) alegando a falta de necessidade e questionando a estrutura das escolas municipais construídas na Lagoa do Zé Mendes e Batatas. Para a nossa surpresa, como se o acesso a educação fosse algo prejudicial à sociedade, Paulo Dourado reclama à justiça, pede averiguação dos fatos e solicita providências. Nós, abaixo assinados, tememos que a providência solicitada seja o fechamento das unidades que beneficiam os moradores de Zé Mendes, Batatas e comunidades vizinhas. Durante muito tempo, a zuna rural de Ibititá foi abandonada à própria sorte. Agora, temos a oportunidade de estudar, crescer na vida e ter acesso à cidadania plena”, disseram no manifesto. Presente na sessão, o vereador Paulo Dourado usou a tribuna para se defender. "Em nenhum momento pedimos o fechamento das escolas, mas uma revisão das suas estruturas", disse.