file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Festival Gastronômico Paladares do Sertão

População de Uibaí reage à "invasão" de irrigantes e vai usar tribuna da Câmara

21 de Outubro de 2015

UIBAI.jpg [caption id="attachment_2685" align="aligncenter" width="300"]UIBAÍ Pinha irrigada é foco de preocupações em Uibaí[/caption] O uso indiscriminado dos recursos naturais ao longo da sua história, no Território de Irecê, tem gerado degradação em igual modo. Não há estudos que apontem os danos ambientais na região, mas sabe-se que já são suficientes para apontar graves problemas sociais. De acordo com o IBGE (2010), já são mais de 20 mil domicílios rurais abandonados em todos os municípios, os quais já se encontram na rota da desertificação, segundo estudos da ONU – Organização das Nações Unidas, em parceria com o Ministério do Meio Ambiente Brasileiro e universidades como a Estadual de Feira de Santana. Para João Gonçalves, membro da Câmara Técnica de Ciência, Tecnologia e Conhecimentos Tradicionais da Comissão Nacional de Combate à Desertificação/MMA/ONU, a situação é crítica e exige da sociedade e poder público muita responsabilidade e adoção de medidas urgentes. “Vivemos um momento difícil, pois existem as pessoas que querem produzir de modo sustentável, na perspectiva da segurança alimentar e nutricional e outras que querem explorar os recursos naturais atrás da concentração de riquezas, sem que se tenha estudos de responsabilidade do Estado, que permitam indicadores de controle ao menos razoáveis e isso já está gerando conflitos”, disse o membro da CNCD – foco sociedade civil, representando o Ipeterras – Instituto de Permacultura em Terras Secas. A capacidade produtiva dos solos de toda a região está prejudicada e a escassez de recursos hídricos já se faz sentir. O Perímetro Irrigado de Mirorós já entrou em declínio, o município de Lapão já está sofrendo os impactos do uso indiscriminado dos recursos naturais, tendo os produtores rurais buscado outras localidades para implantação dos seus empreendimentos. O município de Uibaí é um dos que estão recebendo agricultores irrigantes, mas ao contrário de Canarana e outros da região, a população não está recebendo esta "invasão" passivamente. Produtores locais, ambientalistas e organizações sociais vem, desde o ano passado, apontando o que consideram um grave problema, que é a instalação de estruturas agrárias irrigadas sem nenhum controle por parte do município ou de outros órgãos do Estado. “Nossos produtores tradicionais estão aflitos, pois alguns dos irrigantes que estão chegando exauriram os recursos hídricos nas suas localidades de origem e vem para cá sem nenhum respeito às regras locais, sem consultar os organismos públicos e sem saber se os recursos que temos são suficientes para tantos empreendimentos, desprovidos de métodos sustentáveis” salienta Edimário Machado, que fará uso da Tribuna Livre da Câmara, nesta sexta-feira, 23, às 10h, para tratar sobre o assunto. A ideia é chamar a atenção dos órgãos responsáveis, para que os recursos hídricos do município não sejam utilizados à exaustão, causando danos irreparáveis à população local.UIBAÍ