POLÍTICA

Paulo Freire: Trajetória do educador referência e alvo do novo governo

Cultura&Realidade - 07 de Janeiro de 2019

file-2019-01-07092131.555238-as-contribuicoes-de-paulo-freire-para-a-alfabetizacao-de-adultosc4041716-1276-11e9-80ca-f23c917a2cda.jpg

Paulo Reglus Neves Freire foi um educador, pedagogo e filósofo brasileiro. Foto: Divulgação

Único autor brasileiro entre os 100 mais citados no Google Scholar, ferramenta de pesquisa para literatura acadêmica em inglê​s, o educador Paulo Freire (1921-1997) se tornou referência mundial em educação.

Nascido no Recife, Freire despontou como ícone para a educação popular no início dos anos 1960, quando desenvolveu um método de alfabetização de adultos em Angicos, interior do Rio Grande do Norte. A metodologia considera os saberes e experiências acumulados pelos alunos para o processo de aprendizagem.

O novo governo Jair Bolsonaro (PSL), contudo, considera que a obra de Paulo Freire é sinônimo de doutrinação ideológica de esquerda e disse que seu legado seria "expurgado" da educação brasileira. 

Já o ministro da Educação, Ricardo Vélez Rodríguez, escreveu que houve um processo de domínio da ideologia marxista nas escolas com base nas ideias de Paulo Freire, que teria sido um “grande pedagogo dentro da ideologia marxista-gramsciana”. No discurso de posse, o ministro afirmou que assumia o compromisso de libertar as escolas da suposta dominação do marxismo cultural.

Questionado, o governo não explicou como seria esse processo de "libertação" das escolas.

Abaixo, confira alguns marcos da trajetória de Paulo Freire. 

 

FORMAÇÃO DO EDUCADOR

19 de setembro de 1921
Nasce Paulo Freire, no bairro de Casa Amarela, no Recife (PE). É um dos quatro filhos de um pai oficial da PM e de uma mãe bordadeira. Viveu a infância e a juventude em uma família de poucas  posses

1947
Forma-se em direito, mas praticamente não chega a exercer a profissão. Durante 17 anos, trabalhou no setor de educação do Sesi do Recife e dedicou-se à formação de educadores e à criação de círculos de diálogos entre pais e docentes


1960
Nessa época, Freire desponta como referência para a educação popular. A aprovação da tese "Educação e Atualidade Brasileira" o leva ao posto de professor na Faculdade de Filosofia da Universidade do Recife 

1962
É convidado para aplicar o método de alfabetização recém-criado em Angicos, no sertão do RN. Ali houve a experiência pioneira de alfabetização de trabalhadores rurais iletrados, jovens e adultos 

"Trezentos homens eram alfabetizados em Angicos em menos de 40 horas. Não só alfabetizados. Trezentos homens se conscientizavam e se alfabetizavam em Angicos. Trezentos homens aprendiam a ler e a escrever e discutiam problemas brasileiros"
Paulo Freire

 

MÉTODO DE ALFABETIZAÇÃO GANHA O MUNDO

Jan.1964
O então Presidente João Goulart assina decreto que criou o Plano Nacional de Alfabetização, coordenado por Paulo Freire. Com o golpe militar, em abril, o programa é extinto

set.1964
Após ser preso, Freire decide se exilar na Bolívia. Viveu no Chile, Estados Unidos, Genebra. Ainda viajaria por todo o mundo, da África ao Canadá. Retornaria definitivamente ao Brasil apenas em 1980. 

1965
A Educação Como Prática da Liberdade", seu primeiro livro, é publicadoLivro "Pedagogia do Oprimido", de Paulo Freire - Foto: Divulgação

1968
Finaliza no outono de 1968, no Chile, "Pedagogia do Oprimido", sua obra mais conhecida. Livro é publicado em 1974, pela editora Paz e Terra

1980
Retorna ao Brasil e leciona na PUC-SP e na Unicamp

1989 a 1991
Foi secretário municipal de Educação de São Paulo, na gestão de Luiza Erundina (então no PT, hoje no PSOL). É pioneiro nas discussões do currículo e em programas de tecnologia na educação

1996
Publica "Pedagogia da Autonomia" em que aborda a educação como ato político e a valorização do diálogo

2 de maio de 1997
Morre no Hospital Albert Einstein, em São Paulo, vítima de um infarto agudo do miocárdio. Deixou viúva e 5 filhos

RECONHECIMENTOS

Doutor Honoris Causa
em quase 40 universidades de vários países, como Inglaterra, Bélgica e Estados Unidos

Da redação, com informações do site Folha de São Paulo