Irecê e Região

Palestra sobre Desertificação, com ênfase na região de Irecê, será realizada hoje, na FAI

Cultura&Realidade - 15 de Agosto de 2019 (atualizado 15/Ago/2019 12h04)

file-2019-08-15115730.353900-DXG012c73ce-bf6d-11e9-b653-f23c917a2cda.jpg

Doutor em solos, com estudos na região de Irecê, professor Arlicélio Paiva faz palestra hoje na FAI - Foto: Ilustração

Mediada pelo Doutor em solos e Professor da Universidade Estadual de Santa Cruz, Arlicélio Paiva, terá início às 19 horas e acontecerá no auditório da FAI-Faculdade de Irecê/Colégio Cometa.

Com o intuito de discutir a desertificação no semiárido brasileiro e dando ênfase na degradação física dos solos da região de Irecê, o evento terá entrega de certificados aos participantes e está sendo realizado pela Prefeitura de Irecê, através da Secretaria de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável, em parceria com a FAI, através do curso de Agronomia.

O que é desertificação?

O processo de desertificação, no caso do semiárido brasileiro, é consequência do uso inadequado dos recursos florestais principalmente da Caatinga e Cerrado para o fornecimento de biomassa florestal no atendimento de considerável percentual da matriz energética do Nordeste e de outras regiões, por meio de desmatamentos; pelas práticas agropecuárias sem manejo adequado dos solos, provocando os processos erosivos e esgotando os solos; pelo sobrepastejo na pecuária extensiva comprometendo a textura dos solos e com isso a regeneração da vegetação; e pelo manejo inadequado dos sistemas de irrigação, com a consequente salinização da terra.

 Irecê na rota de desertificação:

A região de Irecê, em razão da matriz tecnológica de desenvolvimento praticado nas áreas agrícolas ao longo dos últimos 60 anos, se encontra no mapa da desertificação, segundo a ONU – Organização das Nações Unidas. “São mais de 500 mil hectares desmatados, os quais foram submetidos ao uso intensivo de máquinas, adubos químicos e venenos para o combate de pragas e doenças. A maior parte destas áreas se encontra esgotada do ponto de vista químico e físico, gerando significativo passivo ambiental e econômico, e, consequentemente social, exigindo da sociedade e dos agentes públicos ações no campo da educação ambiental e revitalização das áreas atingidas”, diz João Gonçalves que responde pela Secretaria de Meio Ambiente de Irecê, ponderando que a implantação de Sistemas Agroflorestais é um dos caminhos a serem seguidos.