JOVEM ESCRITOR C&R

Pablo Maia, 15 anos, é de João Dourado e estudante do IFBA-Irecê, o autor desta quinta

Cultura&Realidade - 14 de Novembro de 2019

file-2019-11-14173008.023896-CAPA8c769a16-071d-11ea-ab8f-f23c917a2cda.jpg

Para mais informações sobre o projeto, quem pode e como participar, acesse nosas redes sociais: Facebook Instagram

Infelizmente, 1x0 pro racismo

Manifestações racistas marcaram o último final de semana no futebol nacional e internacional. Na Ucrânia, os brasileiros Dentinho e Taison foram vítimas de insultos racistas. Infelizmente, o episódio foi só mais um. No domingo anterior, o alvo foi o atacante italiano Balotelli. 

Não bastasse, aqui no Brasil, após uma discussão no clássico entre Cruzeiro e Atlético, um dos torcedores de um dos clubes disse para um segurança: "olha a sua cor". 

O futebol tem a virtude de unir culturas, povos, sem distinção de raça ou origem. Porém, os recentes casos de discriminação racial nos obrigam a erradicar o racismo de uma vez por toda, que vai além do campo e bola. Não acontece só no esporte, infelizmente está presente em todos os locais, sempre. 

Não adianta nos revoltarmos com atos racistas que acontecem longe, em frente às câmeras, e não darmos  a mínima importância quando acontece ao nosso lado, no dia a dia. Até quando o racismo vai ser tratado como um caso comum na sociedade? O número de pardos e negros que são vítimas de assassinato, "bala perdida" e operações policiais é algo revoltante. Não podemos, mas somos muitos omissos a isso. Precisamos parar de ignorar e minimizar as denúncias de racismo. É preciso se educar dentro de casa e nas escolas, pois o silêncio apenas colabora com a manutenção do racismo. Atos que acontecem no futebol são reflexos da sociedade. Não podemos nos permitir ficar atrás do placar, pois a virada é a coisa mais legal e emocionante do futebol.

Pablo Maia tem 15 anos, está no 1º ano de informática no IFBA – Irecê, e  mora em João Dourado Ba.

 “O que me motivou a escrever o texto é chamar as pessoas para luta contra o crime de racismo, pois ele vai nos vencendo quando deixamos de falar dele ou deixamos ele de lado, assunto de segundo plano, como algo que só tem importância quando acontece de longe, enquanto ocorre a nossa frente todos os dias. O futebol, um esporte visto como um espaço de igualdade e inclusão, reunindo milhares de pessoas em torno de uma mesma paixão mas que às vezes, reforça o racismo presente na sociedade. Só muda a partir da voz, da ação, da educação”

 

JOVEM ESCRITOR C&R

Para mais informações sobre o projeto, quem pode e como participar, acesse nosas redes sociais: Facebook Instagram

Da Redação.