Mundo

Odiado pelo governo, Paulo Freire é homenageado internacionalmente

Cultura&Realidade - 18 de Abril de 2019

file-2019-04-18094153.636843-paulo_freire5827def0-61d7-11e9-bab9-f23c917a2cda.jpg

Foto: Reprodução

A Pedagogia do Oprimido é o terceiro texto mais citado nas ciências sociais e humanas, segundo levantamento de Elliot Green, da Escola de Economia de Londres. Pela sua importância, a obra escrita durante o exílio, no Chile, há 50 anos, é considerada pela Unesco como patrimônio da humanidade.

A obra e seu autor, o educador brasileiro Paulo Freire, são reconhecidos no mundo inteiro, sendo ainda referência e objeto de estudo em diversas universidades.

No Brasil, porém, Freire tem sido execrado pelo presidente eleito Jair Bolsonaro (PSL) e seus seguidores. Tanto que em seu programa de governo ele se compromete a "expurgar a pedagogia de Paulo Freire".

No seu entendimento, rendimento insatisfatório dos estudantes em avaliações internacionais nada têm a ver com a histórica desvalorização da educação, com escolas sucateadas, muitas vezes sem merenda e professores mal pagos, obrigados a lecionar em diversos estabelecimentos.

Tanto que ele não defende mais recursos para a educação. E pretende influenciar estados e municípios na adoção do ensino a distância inclusive para alunos do 5º ano em diante.  

Mal sabe ele que escolas e universidades de diversos países se inspiram nas ideias do educador. Inclusive os Estados Unidos, tão reverenciado por Bolsonaro, que chega ao ponto de bater continência diante da bandeira norte-americana.

Confira:

 Escola Livre Paulo Freire, Tucson, Arizona 

Universidade de Lancashire Central, Lancashire, Reino Unido

Universidade do Porto, Porto, Portugal

Centro Paulo Freire, Viena, Áustria

 Cooperação Paulo Freire, Bad Dürkheim, Alemanha

Universidade Chapman, Califórnia, Estados Unidos

Centro Paulo Freire, Finlândia

Universidade de KwaZulu, África do Sul

Universidade Paulo Freire, Manágua, Nicarágua

 

Da redação, com informações do site Rede Brasil Atual