file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Cultura, Esporte e Lazer

O distrito de Angical, em Irecê, se prepara para a sua primeira cavalgada, neste sábado

Cultura&Realidade - 27 de Setembro de 2017 (atualizado 27/Set/2017 20h30)

file-2017-09-27202755.080848-cavalgada7d24b04a-a3db-11e7-97a4-f23c917a2cda.jpg

Cavalgada é uma manifestação cultural que atravessa gerações, promove alegria e fortalece amizades - Foto: Ilustração/Google

O Distrito de Angical, no município de Irecê, tem se notabilizado como referência em diversas manifestações culturais e sociais. É lá que ocorre o “Natal das crianças”, um serviço social filantrópico. É de Angical, também, o “Cordão do Raimundão”, que reúne os amigos para atividades culturais como a celebração dos festejos de São Pedro” e Reveillon. E este ano, inauguraram a agenda do carnaval de rua. Mas as iniciativas não param aí. Neste sábado, 30, vai ocorrer a “1ª Cavalgada de Angical, promovida pelo empreendedor Rodrigo de Araújo.

A cavalgada terá início às 10h da manhã. A concentração será em Angical, no “Bar do Rodrigo”, passando pelas principais ruas da comunidade e em seguida um passeio ao povoado de Barauna, de São Gabriel, e de lá, as amazonas e cavaleiros seguem até a Fazenda Sossego.
Os participantes podem adquirir uma camisa de malha, ao valor de R$ 30,00 (trinta reais), com direito a uma feijoada e muita animação. A programação festiva conta com Alan e Fábio Almeida seu aboios, Gil Castro, Van Vaqueiro e Diamante Negro, além de serviços de bar, comidas e petiscos. 

PARCERIAS – Além do site Cultura&Realidade, o evento conta com apoio de Zé Carlos da Cebola, Prefeituras de Irecê e São Gabriel, Cervejaria Skol, dos vereadores Tal, Mazinho e Irisvan e Luizinho Sobral.

HISTÓRIA – De acordo com diversas fontes bibliográficas, Cavalgada é uma manifestação cultural em forma de passeio, realizada por grupos de cavaleiros e amazonas, entre crianças e idosos. No Brasil esta manifestação cultural surgiu durante o processo de ocupação de territórios, entre os séculos 17 e 18.
Conduzindo o gado bovino e/ou equino de uma fazenda para outra, os tropeiros, montados a cavalos ou burros, se acampavam para descansar; agradecer e pedir proteção divina para eles e para os animais. Era uma profissão bastante sofrida, mas fazia parte da vida de muitos brasileiros do meio rural daquela época.
Hoje, essa prática é considerada uma mistura de religião, esporte, aventura, mas principalmente um patrimônio histórico cultural, trazido com orgulho no peito de quem pratica. Promove fé e amizade. Além disso, as cavalgadas pelo País afora, desempenham um papel importante no comércio das localidades onde são realizadas.
A modernidade foi adotada ao longo dos anos. Hoje, ela não é apenas composta por pessoas montadas a cavalo, burros e jumentos, mas também é acompanhada por pessoas conduzindo veículos motorizados, como carros de passeio, motocicletas e até caminhões, em meio a cavalos, burros, jumentos e carros de boi, fantasiados à caráter; para, posteriormente se reunirem em louvor à divindades, ou curtir ao som de bandas musicais.