IRECÊ

Multidão faz coro em memorável show de despedida do sanfoneiro Zé Bigode

Cultura&Realidade - 21 de Outubro de 2019 (atualizado 21/Out/2019 17h04)

file-2019-10-21170237.920979-WhatsApp_Image_2019-10-21_at_12.56.55bb02e422-f43d-11e9-ab6a-f23c917a2cda.jpg

Sanfoneiros fazem show de despedida no entorno do corpo de Zé Bigode - Foto: Print de vídeo

 

Sob o canto de diversas canções de Luiz Gonzaga, uma multidão se despediu do sanfoneiro Zé Bigode, no final da tarde deste domingo, 20. Vítima de uma forte crise respiratória, o amado sanfoneiro dos ireceenses não resistiu ao “infarto do miocárdio”, ocorrido na tarde de sábado, 19, quando chegou na UPA – Unidade de Pronto Atendimento, já com elevado risco de morte.


A triste notícia logo foi disseminada pelas redes sociais, gerando uma comoção em toda a região. José Elias dos Santos, o Zé Bigode, tinha 72 anos e era muito querido, colecionando fãs de diferentes setores sociais, pela sua constante alegria, a qual fazia questão de emprestar por onde andava.
A Câmara de Vereadores de Irecê foi ofertada para a vigília e despedidas dos amigos, mas a família agradeceu, abdicando da honraria, afirmando que ele havia dito em vida, que, na sua morte, sua despedida seria de casa direto para o cemitério e com música. 


“Ele me pediu em vida, que em caso de morte, não queria lágrimas, queria forró e baião”, confirmou o sanfoneiro e acordeonista, Claudinho do Acordeon, o amigo caçula de Zé Bigode, com quem fez muitas apresentações.
E assim foi, desde a meia noite de sábado, 19, até às 17h de domingo, 20, a humilde residência do sanfoneiro, no bairro Novo Horizonte, foi ocupada por uma multidão, que fez coro em memorável show de despedida, no final da tarde de domingo. 


Autoridades, entre elas o prefeito Elmo Vaz, vereadores e secretários, artistas do povo, empresários e uma multidão de populares participaram de um grande espetáculo de despedida. Sanfoneiros, triangleiros e zabumbeiros entonaram forró, xote e baião, promovendo muita emoção e, por mais que o homenageado não desejasse, muitas foram as pessoas que não resistiram e caíram em prantos.


“Foi uma despedida emocionante e só temos a agradecer a todos os amigos. Sentiremos muita falta de nosso Zé, mas assim é a vida. Ele continuará eterno em nosso meio”, disse Claudinho, que convocou os artistas para as despedidas finais do amigo.


ORIGEM E HOMENAGENS

Zé Bigode se notabilizou como um dos maiores forrozeiros da região de Irecê. Em 2017, ele foi homenageado ainda em vida, pelo prefeito de Irecê, Elmo Vaz, quando mudou o nome do São João do Mercadão para Circuito Zé Bigode.
Natural da pequena cidade de Triunfo, no sertão de Pernambuco, Zé Bigode chegou no estado da Bahia e depois em Irecê ainda na infância – no final da década de 1950.
Em homenagem pós-morte, o prefeito Elmo Vaz determinou luto de dois dias em homenagem ao sanfoneiro que adotou Irecê como lugar para viver com a sua família.
Zé Bigode foi sepultado no início da noite deste domingo, no cemitério de Irecê. Luiz Gonzaga e Dominguinhos, de certo, fizeram as honrarias da nova morada.

Por João Gonçalves