file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Festival Gastronômico Paladares do Sertão

Morro do Chapéu: Empresária inova e aumenta faturamento em mais de 60%

15 de Novembro de 2015

Morro2.jpg Morro2Mudança de estratégias e boas práticas de gestão e inovação. Essas foram as iniciativas adotadas pela empresária Patrícia Oliveira, da mercearia Doce Pão, em Morro do Chapéu, para vencer esse período de retração na economia e aumentar o seu faturamento. Com ações simples e planejadas, a empresária diversificou o negócio e aumentou em 65% o seu faturamento. Antes de tomar a iniciativa, Patrícia participou da Feira Internacional de Panificação em São Paulo (Fipan), em uma missão empresarial organizada pelo Sebrae. Para a empresária, a ida ao evento foi importante para ampliar a visão de mercado e identificar novos nichos no segmento. “Durante a feira, pude perceber que era hora de inovar e buscar um diferencial para aumentar o número de clientes e o faturamento. A solução foi mudar de local e inserir novos produtos,” diz. A empresária tinha uma padaria em um bairro afastado da cidade, e percebeu que, ficando distante do centro, onde o fluxo de pessoas é maior, poderia sofrer com o impacto da retração das compras. Patrícia resolveu, então, ir em busca de um ponto na avenida mais movimentada da cidade e inserir novos produtos e serviços. “Inseri a parte de mercearia, frios e congelados e coloquei todos funcionários com fardamento personalizado que adquiri na Fipan”, explica. Outra novidade foi a implantação da máquina de café expresso, produto que não existia na cidade. “Morro do Chapéu é uma cidade fria, e as pessoas gostam de café. Pensando nisso, eu comprei uma máquina de expresso também durante a feira que está fazendo o maior sucesso”. Depois de pouco tempo instalada no novo local, Patrícia implantou também um buffet para servir jantar e sopas. A iniciativa passou a atrair um público diversificado e agregou valor aos produtos comercializados na mercearia. “A pessoa que vem comprar o pão, às vezes, já leva a sopa, que está ali prontinha e quentinha. Outros vêm jantar aqui mesmo, para não ter trabalho em casa”, relata. Com o sucesso alcançado, a empresária precisou contratar mais quatro funcionários para dar conta da demanda. “As vendas aumentaram tanto, que precisei contratar um funcionário para a produção, e mais três para a parte de atendimento. Inovando, inserindo novos produtos e atendendo o cliente de forma personalizada, com certeza, o empresário pode encarar esse atual momento da nossa economia. Estou muito melhor hoje do que antes da crise”, afirma.