POLÍTICA

Militantes se deslocam do interior para posse de Jacó Lula da Silva como deputado estadual

Cultura&Realidade - 04 de Fevereiro de 2019 (atualizado 04/Fev/2019 14h17)

file-2019-02-04141733.049947-jacoc242199c-28a0-11e9-80ca-f23c917a2cda.jpg

Deputado Estadual Jacó Lula da Silva, prestigiado por correligionários que sairam do interior para a sua posse, na ALBA, em Salvador - Foto: Ascom/Jacó

As posses dos 63 deputados estaduais baianos, eleitos em 2018, ocorreram na última sexta-feira, primeiro dia do mês de fevereiro. Na oportunidade, foi eleito para presidir a Assembleia Legislativa, o deputado Nelson Leal.

Desde a manhã, bem cedinho, da sexta-feria, o deputado estadual Jacó (PT-BA) recebeu presencialmente, o carinho e incentivo de parte dos 49.749 votos que o elegeram em 7 de outubro. Gente que partiu de longe, com "sebo nas canelas", mala e travesseiro para prestigiar sua posse na Assembleia Legislativa da Bahia.

Foram cerca de 500 pessoas que, desde as primeiras horas da manhã, procuravam espaço e oportunidade para cumprimentar o novo parlamentar no gabinete nº 106 no primeiro andar do Anexo Wilson Lins. Ele que vai se chamar Jacó Lula da Silva dentro da Alba.

Sentada na sua cadeira de rodas, Dona Deusete Bahia, 97 anos, estava lá acompanhando tudo. Dona Carminha veio de Lajedinho, a 370 km de Salvador, e recordou a campanha histórica de Jacó por acesso à água.

O entra e sai do povo que nasceu, vive e depende do campo, misturado a jovens, lideranças sociais, indígenas, representantes de movimentos de mulheres, povos tradicionais, idosos, sem teto e sem terra, LGBT, vereadores, prefeitos e deputados foi intenso até o começo da tarde de sexta-feira.

O sentimento era de comemoração, de exaltação à liberdade e defesa das minorias. E de alento e confiança para resistir num cenário político preocupante para o País. "A vinda de Jacó para a Alba legitima a luta do sertão. Mas hoje também é a festa da democracia", disse o ex-deputado Yulo Oiticica (PT).

Do extremo sul da Bahia, vieram representantes do povo pataxó. "O pataxó existe até hoje porque tem estratégia de sobrevivência", disse a índia Kelly. Para o cacique Fred, Jacó foi um político diferente dos outros, pois chegou sem fórmulas prontas e se dispôs a ouvir as demandas da comunidade.

Passaram pelo gabinete de Jacó, entre outros: prefeitos Ricardo Rodrigues (Lapão), Valdes (itaetê) e Elmo Vaz (Irecê); Fabya Reis, secretária de Promoção da Igualdade Racial; Tassio Brito, chefe de gabinete do deputado federal Valmir Assunção; diversos vereadores; Valci Santana, presidente do Sindicato dos Portuários de Candeias; Magno Lavigne, presidente da UGT/BA; Edson Fiuza, presidente do Sintral; Preto, presidente do PT de Porto Seguro; Brena Pinto, secretária estadual de mulheres do PT/BA; Liu Durans e Evanildo, dirigentes nacionais do MST; Jailson Alves, coordenador do SETAF no território de Irecê; Vinicius Alves (Associação Brasileiras de Gays, Lésbicas, Bissexuais, Travestis e Transexuais); Julia Ikeda (UEB); Sandro Oliveira (Fundo de Pasto); José Neto (DCE-Ufba) e Jhones Bastos (Movimento dos Sem-Teto). 

Da Redação, com informações da ASCOM/JACÓ