file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Geral

Manifestação em Presidente Dutra clama por liberdade a jovem acusado de tentativa de homicídio

Rodrigo de Castro Dias - 01 de Agosto de 2017 (atualizado 01/Ago/2017 16h48)

Protesto em Presidente Dutra contra prisão de Domingos Mendes

Manifestação contra prisão de Domingos Mendes reuniu centenas de pessoas neste domingo em Presidente Dutra (João Gonçalves/C&R)

Familiares, amigos e conhecidos do frentista Domingos Mendes fizeram uma caminhada neste domingo (30) em protesto a prisão do rapaz, que é acusado de tentar assassinar a jovem transexual Bárbara Trindade em março deste ano. Um policial militar é outro suspeito do crime, e também está preso preventivamente.

Redação Cultura&Realidade

Nem o frio e uma leve neblina abalaram o ânimo de centenas de pessoas que foram às ruas do município de Presidente Dutra no último domingo (30), para caminhar em protesto pela prisão do frentista Domingos Mendes, 20 anos. Ele é acusado de tentar assassinar Bárbara Trindade, 21 anos, que está internada desde abril deste ano por causa das lesões decorrentes do atentado que sofreu.

Caminhando sob a liderança de Miguel Mendes, pai de Domingos, os manifestantes se reuniram às 9h em frente a prefeitura. Eles percorreram o centro da cidade, passando em frente à igreja Católica, com breve parada em frente à Delegacia e sede do destacamento da Polícia Militar, onde Domingos se encontra detido a aproximadamente 100 dias.

Por todo o trajeto, Miguel que estava acompanhado da esposa e dos outros dois filhos, foi saudado pelos populares, que faziam questão de deixar a porta de casa para irem ao seu encontro, abraçar-lhe e manifestar solidariedade. Versos de "Para Não Dizer Que Não Falei Das Flores", de Geraldo Vandré, embalavam a manifestação.

Miguel Mendes durante manifestação a favor da libertação de seu filho, acusado de tentativa de assassinato

Miguel Mendes, pai de Domingos, clama pela inocência do filho: "Sei que os bons agentes da polícia e da justiça, haverão de promover em breve a liberdade do meu filho” (João Gonçalves/C&R)

O ato foi encerrado na Praça do Comércio, com um longo pronunciamento de Miguel, que falou do sofrimento da família em ver o filho preso, tendo a certeza da sua inocência. Ele disse que o testemunho da família é frágil para a justiça, mas que as provas materiais e testemunhais que inocentam Domingos Mendes são suficientes, e que não entende a razão do seu filho continuar encarcerado.

Ao Cultura&Realidade, que acompanhou a manifestação, Miguel afirmou que, mais do que na condição de pai injustiçado, falava como cidadão frustrado. “Sinto-me frustrado, pois as instituições que deveriam fazer justiça e zelar dos inocentes, negligenciam-se frente a esta barbaridade. Apesar de tudo, sei que os bons agentes da polícia e da justiça, haverão de promover em breve a liberdade do meu filho”, desabafa.

Miguel também criticou a postura da imprensa e do partido político ao qual a vítima é filiada (PSOL), que antes de apurarem os fatos, levaram a todo o Brasil o seu filho à condição de criminoso. “Lamento profundamente que tenham utilizado este caso para tirarem proveito midiático e político, mas não tenho dúvidas, que se há um mínimo de sentimento de justiça no seio daqueles que utilizaram deste fatídico caso para se beneficiarem, irão se retratar”, concluiu.

LEIA TAMBÉM: Caso Bárbara Trindade: Polícia Civil pede prisão temporária de PM suspeito de participação no crime em Presidente Dutra