BRASIL

Lama de rejeitos da Vale chega ao rio Paraopeba e aldeia Pataxó Hã-hã-hãe é evacuada

Cultura&Realidade - 28 de Janeiro de 2019

file-2019-01-28084316.445942-geovani-krenak-750x410e6b2f4a4-22f1-11e9-80ca-f23c917a2cda.jpg

Rio Paraopeba na aldeia Pataxó Hã-hã-hãe Foto: Divulgação

POR ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO – CIMI 

 

A lama de rejeitos da barragem do Córrego do Feijão, da mineradora Vale, em Brumadinho, região metropolitana de Belo Horizonte (MG), chegou ontem à tarde ao rio Paraopeba e na madrugada deste sábado, 26, foi avistada a partir das margens da aldeia Naô Xohã, do povo Pataxó Hã-hã-hãe, situada no município de São Joaquim de Bicas, vizinho ao local da tragédia que, até o final da tarde deste sábado, deixou 34 mortos, 296 desaparecidos e mais de 80 desabrigados.

De acordo com o cacique Háyó Pataxó Hã-hã-hãe, a água do rio Paraopeba começou a sofrer alterações por volta das 4 horas da manhã. “A água ontem estava clara, mas hoje está vermelha escura. Já tem um bocado de peixe morto, boiando, com a boca pra fora pedindo socorro”, afirma. O cacique lamenta as vidas perdidas e informa que o povo tem feito orações em solidariedade às vítimas da tragédia provocada pela mineradora Vale.

Depois do rompimento da barragem, seis prefeituras de municípios da Bacia do Paraopeba, incluindo São Joaquim de Bicas, emitiram alertas para que a população se mantenha longe do leito do rio, pois o nível pode subir com a quantidade de lama que nele chegou. Bairros foram evacuados, incluindo a aldeia, mas os indígenas decidiram não ficar na cidade e permanecer na parte alta da área de 33 hectares ocupada há um ano e meio.

“Em Bicas é difícil. Não dava pra ficar lá. É muito preconceito. Onde a gente vai na cidade botam a guarda municipal, polícia. Aqui na aldeia estamos bem”,  diz o cacique. Mesmo na parte alta, mais afastada do rio, às 25 famílias indígenas a orientação repassada é a de não chegar perto do leito e tampouco fazer qualquer uso de suas águas: “Resíduo de minério é perigoso, não sabemos o que tem nele”.

O cacique Háyó completa que mesmo quando o rio enche, as águas não chegam na parte da aldeia onde os indígenas decidiram permanecer. Entendendo que estão seguros e observando de longe o rio, preferem se manter perto das plantações, terreiros e moradias. Raquel Pataxó Hã-hã-hãe ressalta que a comunidade não está na parte mais baixa da terra ocupada, mas segue atenta aos desdobramentos da tragédia de Brumadinho – inclusive prestando solidariedade.

“É a Mãe Natureza vomitando o que o homem branco tá fazendo. Ficamos tristes. Os peixes ali agonizando… é ruim de ver. Uma coisa que é de sustento não só dos Pataxó, mas de várias famílias, se acabando tudo”, diz o cacique. Além da pesca e da água para o dia a dia, o rio mantinha as roças dos Pataxó Hã-hã-hãe: mandioca, milho, bananeiras, fruteiras, hortaliças e pequenas criações.

Entre os Pataxó Hã-hã-hãe a dúvida é como a aldeia irá sobreviver às margens de um rio poluído gerando impacto em todo o meio ambiente local. “O café da manhã era peixe com farinha e mandioca cozida. Agora temos de pedir forças pros nossos encantos. Quando se trata de índio, aqui ninguém nem chega nem perto. A Funai nos ajuda muito pouco. O rio era a nossa fonte de vida e a de muita gente aqui nessa região. Vidas perdidas, o rio destruído… é uma tragédia”.

Kenya Pataxó Hã-hã-hãe explica que a aldeia Naô Xohã surgiu a partir da ida dos Pataxó e Pataxó Hã-hã-hãe, há muitas décadas, para Minas Gerais; com o intuito de vender artesanatos ou de fugir das ameaças geradas pelas disputas fundiárias com fazendeiros no sul da Bahia. “Aqueles que ficaram sentiram a necessidade de fazer uma aldeia, ficar mais próximo dos costumes”.

Tragédia se repete

Há três anos, em novembro de 2015, a barragem de Fundão rompeu, devastou a bacia do Vale do Rio Doce e afundou em lama a cidade mineira de Bento Rodrigues, em Mariana, deixando 19 mortos e centenas de desalojados. Os rejeitos chegaram até a foz do Rio Doce, no Espírito Santo. A Samarco, empresa com participação da mineradora Vale, é uma das principais responsáveis pelo episódio de Fundão.

Cerca de 126 famílias do povo Krenak vivem espalhadas em sete aldeias às margens do Rio Doce. Antes do desastre de Fundão, pescavam, caçavam e viviam abastecidos pela água do rio. Com a poluição gerada pela lama de rejeitos, os Krenak se vêem hoje dependentes de recursos estatais e da alimentação comprada em supermercados. Não podem plantar, os animais desapareceram da região e o rio segue inutilizável, em um processo de recuperação que pode levar mais de uma década.