BRASIL

Investigação do ‘Dia do Fogo’ está parada

Cultura&Realidade - 04 de Setembro de 2019

file-2019-09-04164422.833576-Amaz64df864c-cf4c-11e9-b6ac-f23c917a2cda.jpg

Faz nove dias que o presidente Jair Bolsonaro ordenou apuração rigorosa do “Dia do Fogo” no Pará, mas nada foi feito. - Foto Ilustração

 

Faz nove dias que o presidente Jair Bolsonaro ordenou apuração rigorosa do “Dia do Fogo” no Pará, mas nada foi feito. Segundo o delegado-chefe da PF em Altamira (PA), Mário Sérgio Nery, somente o inquérito foi aberto em sua unidade, mas a equipe que vai investigar o caso só chegará à região nesta terça-feira (3/9) ou na quinta-feira (5/9).

O inquérito foi aberto no dia 30 de agosto, cinco dias depois da determinação presidencial.
Para o procurador da República, Paulo de Tarso Moreira Oliveira, em Santarém, a PF perdeu muito tempo, levou as operações para os lugares distantes de onde ocorreu o chamado 'dia do fogo' e tratou a Amazônia como se fosse um bairro. “As regiões de Novo Progresso e Castelo dos Sonhos (distrito de Altamira) não receberam até agora nenhum aparato do Estado e nenhuma investigação, isso no campo Federal”, disse o procurador. Oliveira declarou também que a PF ignorou o pedido de providências urgentes de Rachel Dodge, procuradora-geral da República.

No dia 25 de agosto, reportagem da revista Globo Rural revelou que queimadas criminosas em Novo Progresso e Altamira, no Pará, foram organizadas por um grupo de WhatsApp da região formado por grileiros, comerciantes e produtores rurais. Ao tomar ciência da reportagem, no mesmo dia, pelo Twitter, os ministros Ricardo Salles (Meio Ambiente) e Sergio Moro (Justiça) disseram que, por ordem do presidente, os fatos narrados na reportagem seriam apurados com rigor. “Os incêndios criminosos na Amazônia serão severamente punidos”, disse Moro no Twitter.

O próprio presidente Bolsonaro publicou um despacho no Diário Oficial, também no domingo (25), determinando a Moro que “por intermédio da Polícia Federal, e em coordenação com o Comando da Operação para a Garantia da Lei e da Ordem, a que se refere o Decreto 9.985/19, investigue a possível existência de ação premeditada de criminosos nos incêndios e queimadas ocorridas na área da Floresta Nacional de Altamira desde o dia 10 de agosto, conforme informações veiculadas na imprensa nesta data”.

Mas há mais fumaça do que fogo nas ações do governo.  A Polícia Federal até agora só abriu o inquérito e não iniciou as investigações.
O delegado Nery disse à revista Globo Rural que a equipe que chegará à região nesta semana vem de Brasília e será comandada pelo delegado Teixeira. “Os policiais terão que se deslocar a Novo Progresso e Cachoeira da Serra, onde ocorreram  os fatos, que fica a mil quilômetros de Altamira”. Nery diz que a força é composta, a princípio, pelo delegado, um escrivão e dois agentes. O inquérito foi aberto em Altamira porque Cachoeira da Serra é distrito do município.
O inquérito, que tem por objetivo comprovar materialidade e identificar autoria do crime, não tem prazo para ser concluído, segundo o delegado Nery, já que após os primeiros 30 dias, podem ser feitos pedidos de renovação ao Ministério Público Federal. Devem ser ouvidas testemunhas para identificar quem coordenou as ações.

Questionado se o grupo de Whatsapp que teria convocado sindicalistas, produtores, grileiros e comerciantes para colocar fogo nas margens secas da BR-163, será alvo da investigação, o delegado disse: “Sim, tudo que for possível obter de informação para conclusão do inquérito será feito.”

A reportagem da Globo Rural citou alguns suspeitos de terem organizado o grupo Sertão, no whatsapp. O comerciante Ricardo De Nadai seria o criador do grupo.  O delegado Nery afirmou ainda que a PF do Pará já investigou autoria de queimadas criminosas em áreas federais no Estado, como unidades de conservação e reservas extrativistas e biológicas, entre outras, mas esse inquérito tem caráter diferente.

Em agosto, o município de Altamira liderou o número de queimadas no Brasil, com 2.932 focos, segundo dados do Inpe (Instituto Nacional de Pesquisa Espacial). No dia 10, o Dia do Fogo, o número de focos foi recorde em Altamira e Novo Progresso.

Da Redação, com informações do Globo Rural.