file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Bahia

Greve dos Correios afeta cotidiano de moradores em Irecê; sindicato sinaliza que greve continua

Rodrigo de Castro Dias - 04 de Maio de 2017 (atualizado 21/Jun/2017 12h58)

Paralisação não isenta o pagamento de boletos dentro do prazo de vencimento, mesmo que este não tenha sido entregue; em Irecê, moradores relatam que foram prejudicados, pois a agência dos Correios é alternativa ao Banco do Brasil, que segue fechado após tentativa de assalto

Agência dos Correios de Irecê apresentou grande fluxo de pessoas em busca de atendimento bancário

Foto: Por volta das 10h desta quinta-feira, dezenas de pessoas aguardavam o início do atendimento bancário na agência dos Correios de Irecê (Rodrigo de Castro/Arquivo C&R)

Redação Cultura&Realidade - Por Rodrigo de Castro Dias

Desde as primeiras horas da manhã desta quinta-feira (04), dezenas de pessoas aguardam na fila para receber senhas de atendimento bancário na agência dos Correios em Irecê. A cena vem se repetindo nos últimos dias, desde que o Sindicato dos Trabalhadores em Correios e Telégrafos do Estado (Sincotelba) declarou greve dos servidores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos (ECT) na noite do dia 26 de abril.

A decisão tem causado dificuldades aos moradores, que tem recorrido aos Correios como alternativa para sacar dinheiro, pagar contas e realizar transações bancárias diversas desde que a agência do Banco do Brasil foi fechada em março. Na ocasião, o local foi atacado por uma quadrilha que tentou assaltá-la, sem sucesso. 

Apesar da greve, a agência ireceense continua prestando serviços de forma limitada somente para atendimentos bancários, uma vez que os Correios prestam serviço como Banco Postal em parceria com o Banco do Brasil. O acordo de operação do Banco Postal entre as duas empresas foi renovado em dezembro do ano passado, com validade até o final de 2019.

"(A greve) quebrou as nossas pernas, pois aqui tava sendo a salvação pra gente depois que o banco fechou. Em Lapão não tá tendo condição também, porque vive muito cheio, sem contar que ir lá já é uma pequena viagem", queixa-se a dona de casa Silvana Oliveira, que chegou às 6:30h na fila em busca da senha para poder sacar dinheiro para as despesas da semana. 

De acordo com os clientes, os funcionários estão distribuindo apenas 45 senhas para atendimento bancário, quantidade insuficiente para atender a demanda, que engloba não só moradores de Irecê como também de cidades vizinhas, como João Dourado, que também estão com agências fechadas devido a assaltos. 

Fechamento de agências e privatização - O Sincotelba defende a paralisação como forma de protesto a previsão de fechamento de 200 agências dos Correios em todo o Brasil, que deve atingir principalmente municípios pequenos, e também a possibilidade de que a empresa seja privatizada.

“A privatização dos Correios gera prejuízo para toda a população. Está previsto o fechamento de 200 agências em todo o país, principalmente em cidades pequenas. Lembrando que os Correios têm cunho social e as agências chegam em vários lugares como representantes bancários”, defende a diretora do Sincotelba, Sandra Balbino.

LEIA MAIS: Trabalhadores dos Correios entram em greve por tempo indeterminado na BA, diz sindicato

Greve continua - Os funcionários dos Correios rejeitaram a nova proposta feita pelo presidente da estatal Guilherme Campos com o objetivo de findar a paralisação na empresa, iniciada no último dia 27. 

Na Bahia, o presidente do Sincotelba, Josué Canto, disse que os funcionários permanecem em greve por tempo indeterminado. A categoria ealizou uma nova manifestação nesta quarta-feira (3) pela manhã na sede dos Correios, no bairro da Pituba. 

Para quem está preocupado com as cobranças que não chegam, o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor reforça que a paralisação não isenta o pagamento de boletos dentro do prazo de vencimento, mesmo que este não tenha sido entregue. 

Para não se surpreender com juros e multas decorrentes de atrasos, o consumidor deve observar a época em que as cobranças costumam chegar e entrar em  contato com a empresa, solicitando uma segunda via do pagamento ou que sejam disponibilizadas outras formas para quitar a fatura.

LEIA MAIS: "Fiquei 6 horas na fila e não fui atendida"; clientes do BB sofrem com atendimento precarizado

Com informações adicionais do Correio