file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Irecê e Região

Gentio do Ouro: “cidade perdida do Brasil” pode ser a Vila de Santo Inácio

Cultura&Realidade - 05 de Janeiro de 2019 (atualizado 05/Jan/2019 10h19)

file-2019-01-05101131.948565-c60091efd7ce97f1ccedd9e1a03e59596b9046e0-10eb-11e9-80ca-f23c917a2cda.jpg

Vila de Santo Inácio em Gentio do Ouro-Ba. Foto: Divulgação

Por Oscar Guedes

O maior mistério da arqueologia brasileira é o manuscrito 512, sobre uma cidade perdida no interior da Bahia.

Noite de quinta-feira [3/1], recebi um comunicado do pesquisador espanhol Juan Francisco Torres, informando que, após um trabalho de pesquisa e investigação, não tem dúvidas que essa "cidade perdida" se trata da vila de Santo Inácio, no município de Gentio do Ouro/BA. Inclusive, ele esteve na vila, em 2018, coletando informações, fotografando, conhecendo.

Acredita, também, que Santo Inácio é a cidade Z do pesquisador britânico Percy Fawcett, cuja história no Brasil inspirou o filme "The Lost City of Z", com cenas gravadas na Colômbia e na Irlanda do Norte.

Quando li sobre o manuscrito 512, em 2005, automaticamente, e naturalmente interliguei com Santo Inácio. Realmente, muitas descrições da “misteriosa cidade perdida” coincidem com a vila, principalmente a arquitetura local, a praça, o riacho perto da praça, uma cachoeira mais adiante descendo esse mesmo riacho (Cachoeira do Bode), cristais, ouro, luzes misteriosas, estrada de pedras, torres de pedras... Quanto à escultura no centro da praça, arcos na entrada da localidade, louros, traços greco-romanos, afins e outros, podem ter desaparecidos, assim como outras características atuais se perderam e se perdem em décadas, como é do conhecimento de muitos; imagine depois de 300 anos.

No vídeo abaixo, as mesmas grafias desconhecidas descritas no manuscrito e encontradas em momento posterior, próximo ao rio São Francisco, reforçam a tese que a misteriosa cidade perdida brasileira é a localidade de Santo Inácio.

Francisco Torres comunicou, ainda, que vai preparar um artigo sobre suas conclusões da cidade perdida do manuscrito 512, e da cidade Z, para publicar na conceituada revista National Geographic.