file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Politica

Câmara de Gentio do Ouro rejeita prestação de contas de ex-prefeito, tornando-o inelegível

28 de Junho de 2017 (atualizado 28/Jun/2017 09h34)

Ivonilton Vieira dos Santo (PMDB), ex-prefeito de Gentio do Ouro

Foto: ex-prefeito de Gentio do Ouro teve suas contas de 2014 rejeitadas pela Câmara (Reprodução/Conexão Gentio do Ouro)

Redação Cultura&Realidade

A Câmara Municipal de Gentio do Ouro rejeitou na última quinta-feira (22) a prestação de contas do ex-prefeito Ivonilton Vieira dos Santos (PMDB) referente ao exercício 2014. Por cinco votos a três, a decisão dos vereadores faz com que Ivonilton perca os seus direitos políticos e torne-se inelegível por oito anos.

No exercício analisado, Ivonilton era acusado de cometer graves irregularidades à frente da gestão municipal, a exemplo da emissão de 241 cheques sem fundos e a ausência de processos licitatórios referentes a vários processos de pagamento, totalizando R$ 240.150,17.

Na ocasião, o TCM havia determinado a restituição à conta do Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb) com recursos públicos o valor de R$ 153.016,82, além da aplicação de duas multas: uma no valor de R$ 15.000,00 e outra estipulada em R$ 8.640,00. Além das multas, o gestor ainda teria de devolver aos cofres públicos a quantia de R$ 72.743,32, com seus recursos pessoais.

Detalhes da votação - A votação ratificou o parecer emitido pelo Tribunal de Contas dos Municípios (TCM/BA) em dezembro de 2016, que indicava recusa da prestação fornecida pelo ex-gestor. Ivonilton buscava os dois terços de votos necessários na Câmara para derrubar o relatório do tribunal, porém apenas três votaram contra a sua condenação: Sandro da Lavra Velha (PSD), Girlan Barreto (PSD) e Adilton Franca (PSD).

Já vereadores Welington Souza (PDT), IrisDurães (PDT), Bedeu (PDT),  Neto de Adão (PC do B) e Leonardo Gomes (PC do B), que votaram de forma favorável ao parecer do TCM/BA, entenderam que as irregularidades apontadas no parecer eram graves e mereciam a condenação de Ivonilton. 

A única abstenção foi do vereador Neto de Milton (PSDB). Segundo ele, não ter participado da referida gestão como agente público ou político lhe retirava capacidade para se posicionar. 

As informações são do site Líder Notícias