file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Bahia

Fiscalização descobre praga em palmeiras na região de Ibotirama

Rodrigo de Castro Dias - 02 de Maio de 2017 (atualizado 21/Jun/2017 10h56)

Força-tarefa da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI) flagra ação do ácaro vermelho, que até então só havia sido detectado em regiões litorâneas

Foto: ácaro vermelho ataca palmeiras, mas pode afetar também coqueiros e bananeiras (Reprodução)

Foto: ácaro vermelho ataca palmeiras, mas pode afetar também coqueiros e bananeiras (Reprodução)

Redação Cultura&Realidade

A Fiscalização Preventiva Integrada (FPI), força-tarefa que envolveu diversas instituições públicas e órgãos de defesa de direitos em operação de fiscalização ambiental, descobriu que uma praga está atacando palmeiras em Ibotirama, cidade localizada às margens do Rio São Francisco. A descoberta foi uma surpresa, pois a praga, identificada na Bahia no final do ano passado, até então só havia sido detectada na região litorânea do estado.

O ácaro vermelho, que pode atacar ainda coqueiros e bananeiras, está sob controle oficial da Adab - Agência de Defesa Agropecuária da Bahia. Segundo a promotora de Justiça Luciana Khoury, existe uma preocupação para que a população não utilize nenhum tipo de veneno para combater essa situação, pois não há ainda o estudo e a orientação do que deverá ser feito. “A utilização de agrotóxicos não resolverá o problema e poderá causar danos ao meio ambiente e à saúde”, avisou.

Apreensão de agrotóxicos - A preocupação a respeito do uso incorreto de agrotóxicos não é à toa. No município de Muquém do São Francisco, em uma fazenda localizada no Km 636 da BR 242, fiscais apreenderam 2.974,5 litros e 1.418,7 quilos de agrotóxicos. Havia produtos vencidos há mais de seis meses e alguns há mais de 10 anos, defensivos agrícolas sem identificação do lote e da data de vencimento e produtos com números de lotes nos rótulos das embalagens divergentes do lote impresso nas caixas. Além das multas impostas pelo Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), no valor de R$ 640 mil, o responsável pelo empreendimento rural foi encaminhado para a Delegacia de Polícia Civil de Ibotirama, onde pagou R$ 5 mil de fiança, foi liberado e responderá em liberdade.

Com informações da assessoria da FPI