Cultura, Esporte e Lazer

Festival de Igatu, cultura e passeios ecológicos em uma das regiões mais belas da chapada

Cultura&Realidade - 23 de Agosto de 2019

file-2019-08-23180207.410773-ok_Igatu443869e8-c5e9-11e9-a91d-f23c917a2cda.jpg

O Festival de Igatu começou nesta quinta-feira, 22 e vai até o dia 24, com eclética programação cultural, envolvendo musicais regionais e de reconhecidos ícones da Música Popular Brasileira.- Foto : lustração

 

O Festival de Igatu começou nesta quinta-feira, 22 e vai até o dia 24, com eclética programação cultural, envolvendo musicais regionais e de reconhecidos ícones da Música Popular Brasileira. 
Igatu, distrito de Andaraí, município da Chapada Diamantina, promove o encontro cultural pela 12ª vez, já se tornando uma boa atração para os amantes da região chapadeira.


As atrações deste ano perpassam pelo ‘Quinta Cultural’,  com a  abertura religiosa ‘Terno das Almas’ e apresentações de Luiza Lemos, Daniel Diniz, Banda Orquídea e André Oliveira. Tem ainda o espetáculo ‘Delicadeza: Arte que brota das pedras’, com atuação de estudantes da Escola Eurico Antunes, do Nuca e da Feliz Idade e ainda contará com Maria Gadú, Irmãos Macêdo e Melim, Opala 73 e Vitrola Baiana.
No último dia de festival, sábado, 24, a festa começa com a Orquestra Sinfônica da Bahia (OSBA) com o regente maestro Carlos Prazeres, na Igreja São Sebastião. 
Os shows começam às 20h com Ana Manetto e o Mar de Caymmi e Vinícius, além da Banda Melim e Baile de Autor, Mano Góes, Jorge Zarath e Tenison Del Rey. E tem ainda oficina de capoeira, escalada de Boulder com instrutor Luís Paulo e mercado das artes.


Sobre Igatu


A Vila de Igatu é conhecida como ‘Xique-Xique de Igatu’, ‘Cidade de Pedras’ e pelo apelido de ‘Machu Picchu baiana’ por seu casario histórico de pedra do século XIX, resquício da extração de diamantes. O local é um verdadeiro museu vivo da história da mineração diamantífera no Brasil. Fica na Serra do Sincorá e seu ‘desenho’ é de infinita beleza, como toda a Chapada: vales profundos, chapadões, rios, cachoeiras, peculiar fauna e flora. 
É lá onde se encontram as cachoeiras Treze Barras e dos Cristais, do Taramba, dos Pombos ou Córrego do Meio e a Rampa do Caim, cerca de três horas caminhando para se chegar a um local que dá uma das vistas mais espetaculares do Vale do Pati e os rios Paraguaçu e Preto.


Da Redação, com informações do Jornal Chapada.