file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Festival Gastronômico Paladares do Sertão

Fabíola quer recuperação da Estrada do Feijão

25 de Setembro de 2015

estrada.jpg [caption id="attachment_2317" align="aligncenter" width="580"]Foto: Reprodução Foto: Reprodução[/caption] A deputada estadual Fabíola Mansur (PSB) solicitou ao secretário de Infraestrutura do Estado da Bahia e ao Governador Rui Costa a recuperação da BA-052, mais conhecida como Estrada do Feijão. A estrada tem aproximadamente 450 quilômetros de extensão e vai do entroncamento da BR-116 em Feira de Santana até Xique-Xique, passando pelos municípios de Anguera, Serra Preta, Ipirá, Baixa Grande, Mundo Novo, Tapiramutá, Piritiba, Morro do Chapéu, Irecê e Xique-Xique. A rodovia estadual é utilizada por milhares de pessoas dos Territórios de Identidade da Bacia do Jacuípe, Piemonte da Diamantina, Chapada Diamantina e Irecê. O trecho é de grande importância para os produtores da região de Irecê e ficou conhecido como Estrada do Feijão pela grande produção do produto na região. A parlamentar, que esteve em agenda na região esta semana, afirmou que a situação está insustentável e que espera do governo sensibilidade para tomadas de providências imediatas. “Estive esta semana nos municípios de Irecê, João Dourado, Mundo Novo e Uibaí e me entristeceu ver a situação na qual ainda se encontra a BA-052. A região é predominantemente agrícola e estes produtores utilizam a rodovia como principal rota de escoamento da produção. Muitos estão tendo seus custos mais elevados em função de prejuízos com a estrada. Envidaremos esforços para assegurar que o direito de vir em segurança seja fielmente cumprido”. Fabíola Mansur chamou atenção ainda para os riscos que correm as famílias que trafegam pela rodovia, “pois, com tantos buracos, os riscos de acidentes graves aumentam”, acrescentando que também foi possível perceber durante a viagem que há um grande número de carros parados na pista, o que acaba facilitando a ação de bandidos, causando insegurança nas milhares de pessoas que são obrigadas a usar a estrada para diversos fins. “Segurança é essencial e as estradas, maltratadas como estão, dificultam o acesso a esse direito”. Muitos pacientes usam também a estrada do feijão para se deslocarem de municípios menores em busca de atendimento e tratamento em cidades polo, com Irecê e Jacobina ou até mesmo em Salvador, onde Casas de Apoio dos municípios recebem pacientes graves para tratamentos semanalmente. As más condições das estradas acabam pondo em risca a vida daquelas pessoas cujo deslocamento deva se dar com maior emergência. “Assim, percebemos que a recuperação da estrada tem relação direta com cidadania, com saúde, educação, segurança e com a economia regional”, concluiu Fabíola.