BRASIL

Erradicação da febre aftosa foi tema de debate da CNA

Cultura&Realidade - 03 de Setembro de 2019

file-2019-09-03153930.962479-Febre_aftosa2ab9cb44-ce7a-11e9-b6ac-f23c917a2cda.jpg

O evento aconteceu em programação paralela à 42ª edição da Expointer, em Esteio (RS), na sexta (30). O plano estratégico é um das ações para que o Brasil seja reconhecido mundialmente como país livre da febre aftosa, sem vacinação até 2023.- Foto: Ilustração

 

Na última segunda-feira, 02, representantes da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) participaram das discussões do Plano Estratégico Programa Nacional de Erradicação e Prevenção da Febre Aftosa (PNEFA).

O evento aconteceu em programação paralela à 42ª edição da Expointer, em Esteio (RS), na sexta (30). O plano estratégico é um das ações para que o Brasil seja reconhecido mundialmente como país livre da febre aftosa, sem vacinação até 2023.
O presidente da Famasul e do grupo de Trabalho de Sanidade da CNA, Maurício Saito, apresentou os principais desafios do setor produtivo relacionados ao PNEFA.

“Oferecemos total apoio a essa iniciativa sempre analisando como será a evolução do programa. É importante reforçar a atuação do setor produtivo, contribuindo de forma efetiva para que os poderes públicos também possam realizar o seu trabalho”, declarou.
O fórum reuniu representantes da agropecuária do Rio Grande do Sul. O presidente do Sindicato de Produtores Rurais de Lagoa Vermelha, Cesar Magrin, foi um deles.

 “Confiamos o nosso trabalho nas mãos desses profissionais, pois o agronegócio também depende da evolução no quadro sanitário. Com isso, teremos perspectivas melhores para os nossos filhos, que vão fazer a sucessão familiar no setor rural”, observou.

Também participaram do fórum o assessor técnico de Pecuária de Corte da CNA Ricardo Nissen e o assessor Técnico da Federação da Agricultura do Estado do Rio Grande do Sul (Farsul) Luiz Alberto Pitta Pinheiro. 

Da Redação com Informações da CNA.