Irecê e Região

Em uma decisão prevista, a prefeita Rose, de América Dourada, renuncia à renovação do mandato

Cultura&Realidade - 14 de Março de 2020 (atualizado 14/Mar/2020 20h35)

file-2020-03-14120233.040840-ROSEd52a6e36-6604-11ea-a930-f23c917a2cda.jpg

Rose Dourado publica carta de renúncia à candidatura de renovação do mandato - Foto: Ilsutração

ATUALIZAÇÃO: SINOBELINO CONTESTA INFORMAÇÃO

No quinto parágrafo da matéria abaixo, postada neste sábado, 14, às 11:58:26h, cita o médico e ex-prefeito Sinobelino Dourado como líder de grupo político que estaria lançando o nome de "Fernandão" Dourado como pré-candidato a prefeito de América Dourada. 

Em contato com o diretor do site, no início da noite, às 18:48:00h, Sinobelino requereu revisão das informações. Conforme disse, por telefone, ele esteve ao lado de Fernando Dourado em outros momentos da política local, como em 2016, quando apoiaram Joelson, mas que, de algum tempo para cá, cada um seguiu seu caminho. 

"Por enquanto me mantenho no mesmo grupo no qual participei das eleições de 2016, ao lado de Joelson Cardoso. Estamos realizando com diversas forças políticas, o diálogo para que todos possam seguir firmes e unidos. Estou me dedicando ao projeto deste grupo, espero que possamos fechar todas as tratativas de forma satisfatória para todos", disse Sinobelino.

 

Da Redação/C&R

O que já era previsto nos últimos meses, se confirmou. A prefeita Rose Dourado, de América Dourada, desistiu de disputar a reeleição. Em sua carta de renúncia, ela desabafa. Entre outros apontamentos ela destaca que “tentaram me fazer pensar que o certo é errado; tentaram, a todo custo, marcar o nosso governo de forma negativa. Tentativas vãs, pois, apesar das falhas características de um governo que trabalha e desafia, temos a consciência de que os maiores problemas são os vícios e a politicagem rasteira, onde prevalecem apenas os interesses próprios”.

Ainda na carta ela ressalta: “o que pesa na minha decisão é a família, principalmente no que diz respeito aos meus filhos - Paloma e Pablo; minha mãe Netinha, com seus 84 anos e a minha saúde. Nos últimos anos eu tenho vivido para América Dourada. Não priorizei a rotina familiar e muito menos cuidei da minha própria saúde, como deveria. Tudo isso por encarar com muita responsabilidade o exercício a mim confiado pelo POVO.”

DESISTÊNCIA PREVISTA - Com rejeição elevada e baixíssima aceitação, conforme pesquisas divulgadas até 31 de dezembro passado, o seu grupo político, liderado pelo seu esposo e ex-prefeito Agnaldo Oliveira Lopes, o “Guina”, proprietário da rede de concessionária de tratores Massey Ferguson já vinha testando outros nomes.

O vice-prefeito Má de Assis, em aparente rompimento, colocou seu nome na corrida eleitoral, mas ainda não pontuou em pesquisa de aferição de tendência de voto. Ricardo Dourado, ex-vereador, derrotado ao tentar a reeleição, é homem de confiança do grupo da prefeita e também colocou seu nome à apreciação d eleitorado, visando a pré-candidatura de prefeito. Mas também ainda não despontou nas amostras de pesquisas.

Um outro nome que vem sendo ventilado, este pelo grupo liderado pelo ex-prefeito e médico Sinobelino Dourado, é Fernando Dourado, o Fernandão, que de repente surgiu no cenário com caminhões de reservatórios de água, de emenda parlamentar do deputado federal Adolfo Viana (PSDB) e saiu distribuindo nas comunidades, fazendo fotos e vídeos e pavimentando a sua viabilidade como pré-candidato a prefeito.

O certo é que o cenário em América Dourada, com a desistência de Rose Dourado e os ingressos ao jogo, de Ricardo e Fernandão, está nebuloso. Antes dessas novidades, o também Joelson Cardoso do Rosário se despontava como franco favorito, em uma disputa com Rose.

Aliados de Joelson compreendem que o seu carisma e a sua sensibilidade social junto às famílias mais pobres, o credenciam, sem receio de enfrentar o candidato de Guina e ou Fernandão, que não tem tradição na política local e chegou de repente, alçando vôo nas ondas de caixas d’água.

LEIA POR INTEIRO, A CARTA ABERTA AO POVO DE AMERICA DOURADA

 

É com muito respeito que me dirijo aos munícipes de MINHA TERRA para lhes comunicar o que se segue.

Em 2016, o meu nome foi posto em apreciação para concorrer à vaga do executivo municipal de forma inusitada, meio casual, pois, não era um desejo antigo. Surgiu pelo anseio da necessidade de buscar uma nova direção que trilhasse o nosso município rumo ao desenvolvimento.

Ao me tornar prefeita em 2016, para o quadriênio 2017/2020, deparei-me com situações impossíveis de serem qualificadas. Portanto, só me cabe dizer aqui que o município de América Dourada encontrava-se inadimplente e sem nenhuma credibilidade perante funcionários e fornecedores, além de órgãos diversos nas esferas - Estadual e Federal.

Passamos aproximadamente dois anos e meio organizando a casa e buscando inserir o município num cenário diferente, onde pudesse se destacar de forma positiva, com a reabertura das portas que tinham sido fechadas. Para isso, retomamos todas as obras paralisadas; fizemos aporte de contrapartidas de convênios que não tinham sido honrados; negociamos um débito estratosférico com o INSS e o deixamos apto a conveniar novamente, e, inclusive, apto a buscar financiamentos.

Como foi difícil! Quantos desafios enfrentamos! Quantas vezes a minha competência e da minha equipe foi posta à prova! E, tudo por termos adotado uma postura ética que nos fez correr atrás do prejuízo, ao invés de perder tempo jogando lama em ventiladores.

Eu senti na pele, junto com a ala feminina que compõe a equipe de governo, o preconceito e o machismo, que, embora disfarçados, atingiu-nos em cheio.

O governo ainda não chegou ao fim. Só digo que "senti" e "atingiu”, porque ficou no passado. Hoje, depois de tanto empenho e dedicação, a realidade é outra, pois alcançamos o nosso objetivo. Somos um governo reconhecido pela seriedade, honestidade e transparência.

Considerando que passamos mais da metade do mandato regularizando pendências e ainda relutando contra resistências ao nosso projeto de governo que, por diversas vezes, ficou engessado, sendo, porém, que o nosso balanço é muito positivo. 

Contudo isso, lamento profundamente por aquelas pessoas que por razões particularizadas ou por outros motivos alheios ao nosso conhecimento, não nos abraçaram e não compreenderam o nosso modo de administrar.

Sonhei tanto em compartilhar a minha visão de governo, onde tão somente prevaleceria o cumprimento dos princípios da administração, governando para todos, sem privilégios e sem interesses pessoais, trazendo benefícios comuns. Porém, confesso que a incompreensão me fez sozinha em diversas situações, pesou... já hoje, não mais.

Tentaram me fazer pensar que o certo é errado; tentaram, a todo custo, marcar o nosso governo de forma negativa. Tentativas vãs, pois, apesar das falhas características de um governo que trabalha e desafia, temos a consciência de que os maiores problemas são os vícios e a politicagem rasteira, onde prevalecem apenas os interesses próprios.

Há muitas especulações sobre a minha ida ou não para a reeleição, sendo que eu sempre estive certa do que eu realmente quero. Nunca tive a intenção de fazer carreira política, muito menos usá-la para usufruir do erário público. Quando pude, defendi, junto à UPB, um mandato de 06 anos, por ser contraria a reeleição.

 As situações expostas, em nada influenciaram na minha decisão.  Mencionei-as tão somente no intuito de mostrar que não havia necessidade de engessarem um governo que só pretendeu erguer um município arruinando pela incapacidade de gestão.

O que pesa na minha decisão é a família, principalmente no que diz respeito aos meus filhos - Paloma e Pablo; minha mãe Netinha, com seus 84 anos e a minha saúde. Nos últimos anos eu tenho vivido para América Dourada. Não priorizei a rotina familiar e muito menos cuidei da minha própria saúde, como deveria. Tudo isso por encarar com muita responsabilidade o exercício a mim confiado pelo POVO.

Diante de tudo exposto, informo aos munícipes de América Dourada, em especial ao meu grupo político, que não irei para a REELEIÇÃO.

Na última quinta-feira (12), estive com o Senador Otto Alencar, líder do PSD, partido em que estou filiada e sou presidente, e, informei-o sobre a minha posição na política. O mesmo dispensou justificativas, reconhecendo o nosso mandato e me assegurando a continuidade na presidência do partido. 

Agora, é hora de externar os meus agradecimentos ao POVO que me concedeu o mandato e a cada pessoa que confia no nosso trabalho; que torce e que se empenha para o sucesso da gestão. Deus abençoe a cada um de vocês.

Agradeço aos vereadores que trilharam comigo para que pudéssemos garantir a vitória em 2016. Mesmo tendo algumas alianças dissipadas ao longo do caminho, eu reconheço a importância de cada um. Obrigada pelos momentos em que pudemos compartilhar experiências e trabalhar juntos para o progresso do Município. Ainda temos um bom tempo pela frente.

Hoje os rumos políticos situacionistas estão sob responsabilidade e condução do ex-prefeito Agnaldo Lopes, um dos maiores líderes políticos de América Dourada, a quem também agradeço por ter me apoiado em 2016.

Não estarei alheia ao processo eleitoral, contudo, sigo até 31 de dezembro de 2020, fazendo gestão pública como deve ser, sempre empenhada em promover qualidade de vida e bem estar social para o POVO de América Dourada.

Que Deus nos abençoe para que tenhamos sabedoria na condução do processo eleitoral e que o próximo gestor continue mantendo o município no nível em que ora se encontra, apto a celebrar convênios em qualquer instância de governo e de alçar vôos cada vez mais altos.

Gratidão a todos, e, o meu mais profundo respeito a cada munícipe; a cada representante do legislativo municipal; aos funcionários; fornecedores e parceiros. Enfim, a cada um que de alguma forma participa do processo político/administrativo.

Muito obrigada!

 

ROSA MARIA DOURADO LOPES

Prefeita Municipal.