file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

BRASIL

Dilma Ferreira, coordenadora regional do MAB, é assassinada no Pará

Cultura&Realidade - 22 de Março de 2019

file-2019-03-22155948.436311-33566631648_287ddfa26d_zaa3c4a68-4cd4-11e9-a56e-f23c917a2cda.jpg

Dilma Ferreira Silva e ex-presidente Dilma Rousseff, pedindo política nacional de direitos para os atingidos por barragens, com atenção especial par as mulheres atingidas. Foto: Divulgação

O Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) informou nesta sexta-feira (22) o assassinato de Dilma Ferreira Silva, coordenadora regional do movimento em Tucuruí (PA). Segundo informações preliminares divulgadas pela assessoria de comunicação, a liderança do MAB no Pará teria sido morta junto ao esposo e outros familiares.

"O MAB ainda não sabe ao certo o número de pessoas assassinadas e nem os motivos do crime. (…) É mais um momento triste para a história dos atingidos por barragens que o dia de hoje celebravam o dia internacional da água", diz a nota publicada pelo movimento. "O MAB exige das autoridades a apuração rápida deste crime e medidas de segurança para os atingidos por barragens em todo o Brasil".

Em 2011, Silva participou de uma audiência com a então presidenta Dilma Rousseff (PT) e entregou um documento em que pedia uma política nacional de direitos para os atingidos por barragens, com atenção especial par as mulheres atingidas.

A usina hidrelétrica de Tucuruí, construída durante a ditadura militar, é a maior hidrelétrica considerada genuinamente nacional. Ela localiza-se no rio Tocantins, a 310 km da capital Belém (PA). Cerca de 32 mil pessoas foram deslocadas de suas moradias para construção da barragem, e há mais de 30 anos lutam para garantir direitos.

Da redação, com informações do site Brasil de Fato