TECNOLOGIA

COVID 19: respirador da UFPB, 37 vezes mais barato, ficará com licença aberta para empresas produzirem

Cultura&Realidade - 14 de Abril de 2020 (atualizado 14/Abr/2020 18h29)

file-2020-04-14182843.481678-ufpbeaa0d912-7e96-11ea-a930-f23c917a2cda.jpg

Sede da Universidade Federal da Paraíba - Foto: Ilustração

Da Redação/Por João Gonçalves

Ventilador pulmonar desenvolvido na UFPB, que faz uso da tecnologia touch-screen, equipado com sistema multibiométrico e conectividade wireless, com possibilidade de acessá-lo, monitorá-lo e operá-lo em tempo real remotamente por meio de aplicativo em dispositivos móveis (smartphones), é a grande contribuição científica oferecida pela Universidade Federal da Paraíba, podendo ser produzido em larga escala pela metade do preço dos convencionais.

De acordo com os inventores a produção do aparelho é de aproximadamente R$ 400,00 (quatrocentos reais), ou seja, mais barato do que o equivalente desenvolvido na Universidade de São Paulo (USP); valendo destacar que o respirador mais barato no mercado custa aproximadamente R$ 15.000,00 (quinze mil reais).

O equipamento, segundo informações constantes na página oficial da UFPB, também é de rápida montagem e programação, sendo possível concluir a montagem e deixá-lo plenamente operável em 60 segundos. Outro detalhe é que ele não é um respirador de emergência, podendo ser usado indefinidamente, ou seja, um substituto aos convencionais comercializados atualmente.

Informa ainda a publicação da plataforma “Inova – UFPB”, que os inventores tiveram como missão garantir uma alternativa nacional viável que pudesse ser disponibilizado com um baixíssimo custo para hospitais.

A equipe de pesquisadores e servidores da UFPB é responsável pelo pedido de patente, mas não pela fabricação, que deverá ser feita por empresa com autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) e o aparelho ainda precisa passar por testes pelo Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (INMETRO).

“Nesses últimos casos, acredita-se que em face da urgência as tramitações burocráticas e testes sejam aceleradas”, diz a postagem da universidade. 

Ainda de acordo com a publicação, o projeto tem licença aberta para os interessados em produzir o ventilador pulmonar. Para tanto deverão entrar em contato com a INOVA-UFPB por meio do e-mail: inova@reitoria.ufpb.br.

A DEMANDA

O desenvolvimento do respirador foi uma iniciativa de Petrônio Filgueiras, presidente da Agência UFPB de Inovação Tecnológica, que demandou o desenvolvimento do equipamento ao Centro de Ciências Exatas e da Natureza (CCEN) e d Centro de Informática (CI), no dia 28 de março.

A equipe composta por Railson Ramos, Mario Ugulino, Válber Almeida, Tiago Maritan e Marcos Alves concluíram a missão em 48 horas e no dia 30 de março de 2020 as imagens do protótipo já estavam disponíveis nas redes sociais. No dia 31, foi realizada nova força tarefa com os inventores, a equipe da Diretoria de Propriedade Intelectual da INOVA-UFPB e do Instituto Nacional da Propriedade Industrial (CGDI/EDIR-PE/SEDIR-PB/INPI) para preparar a redação do pedido de patente. No dia 01 de abril o pedido de patente foi finalizado e no dia 02 foi protocolado no INPI.

PROTÓTIPO

Fonte: DPI/INOVA-UFPB.