file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Irecê e Região

"Chove chuva, chove sem parar"... uma canção que anima os sertanejos, no embalo dos primeiros "acordes" chuvosos de novembro

Cultura&Realidade - 06 de Novembro de 2017 (atualizado 07/Nov/2017 17h26)

file-2017-11-06190327.652881-chuva513e8eec-c33e-11e7-97a4-f23c917a2cda.jpg

Previsões apontam que teremos dias alternados entre nublados e chuvosos, com poucos momentos de sol até dia 15 - Foto: ilustração/C&R

Começaram as chuvas de novembro na região de Irecê. No ano passado elas chegaram depois do dia 10. Este ano um pouco mais cedo, com expectativas de maior intensidade. De acordo com as estações meteorológicas da Climatempo, teremos precipitações até o dia 15.

Caso sejam confirmadas as previsões, as intensidades serão entre 2mm e 8mm de precipitações entre o dia de hoje, 6, e terça, 14. Já no dia 15, quarta-feira da próxima semana, conforme ainda o Climatempo, é que se tenha o dia mais chuvoso, com 21mm, seguido de dias de sol, até o final do mês.

Nas redes sociais e grupos de WhatSapp, os sertanejos comemoram. Orações pela chegada das chuvas também são manifestadas. Os 2mm que caíram hoje, até o momento de fechamento desta matéria, foram motivos de festa em um grupo.

O servidor público Abel Dourado festejou. “Vamos falar de chuva!”, manifestou, para fugir de temas mais aquecidos da política local. O bancário aposentado Adhemar Moitinho replicou: “Abel tá botando apelido nos chuviscos”. E Logo veio o troco de Abel. “20 minutos de chuvisco para quem num ver chuva o ano todo... tá  bom demais...”.

Chuva no sertão é isso, deixa todo mundo em clima de festa e expectativas. Que venham as chuvas, e com elas muita fartura. Estas primeiras chuvas são deniminadas pelos saberes populares, de "chuvas dos umbus". São as primeiras chuvas do período do ano chamado "verde", quando a Caatinga se reapresenta com o seu explendor e os agricultores iniciam os plantios das culturas de sequeiros, especialmente o milho, sorgo, mamona e feijão. Este último, cada vez em menos escala. "Quase nada, só pela teimosia", diz a agricultora Maira Dolores, 56.

Da Redação