file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Bahia

Chapada: tragédia no município de Lajedinho completa três anos; problemas continuam

09 de Dezembro de 2016 (atualizado 07/Fev/2017 23h23)

file-2017-02-07212257.106901-Destruio-das-ruas-na-cidade-de-Lajedinho-FOTO-Jornal-da-Chapada-2-115bb43a94-ed8c-11e6-b251-047d7b108db3.jpg

Foto: das 231 casas que começaram a ser reconstruídas na época nenhuma foi entregue (Jornal da Chapada) 

Do Jornal da Chapadacom informações do G1

A “tromba d’água”, aumento considerável do volume de rios e córregos em um espaço curto de tempo por conta das chuvas, que inundou a cidade de Lajedinho, na Chapada Diamantina, e causou a morte de 17 pessoas e cerca de 600 desabrigados, completou três anos na última quarta-feira (7). O canal que corta a cidade não suportou a força da natureza, transbordou e alagou parte baixa do município. Das 231 casas que começaram a ser reconstruídas na época nenhuma foi entregue.

Os imóveis destruídos começaram a ser reconstruídos em uma região que será chamada de Loteamento Maria José Pereira de Almeida, em homenagem a uma das vítimas da enchente. No entanto, a localidade segue sem nenhum morador. Ainda não há previsão de entrega de todas as casas em Lajedinho. O Ministério das Cidades acrescentou que informações sobre o loteamento poderiam ser obtidas com a prefeitura local e com a Caixa Econômica Federal (CEF). A prefeitura informou que aguarda apenas o sistema de abastecimento de água ser concluído para que as casas sejam entregues e a CEF ainda não informou prazo para entrega. Aqueles que perderam seus imóveis estão morando em casas alugadas pela prefeitura ou com familiares. No final de 2014, um conjunto habitacional foi inaugurado e contemplou alguns desabrigados. O projeto de construção foi anterior à tragédia e a prioridade das doações passou a ser das famílias que perderam tudo.

Veja vídeos produzidos pelo Jornal da Chapada sobre a tragédia: