file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Bahia

Cerca de 4 milhões de pessoas já são afetadas pela estiagem em toda a Bahia

Rodrigo de Castro Dias - 23 de Março de 2017

file-2017-03-23120328.015073-seca-no-nordeste1dee9a8e4-0fd9-11e7-a58a-047d7b108db3.jpg

Foto: a estiagem, considerada pelos especialistas como a maior nos últimos 100 anos, afeta diretamente 3,99 milhões de habitantes no Estado (Reprodução)

Do Tribuna da Bahia

Os prognósticos não são animadores para os municípios do Semiárido Baiano, com a chegada do Outono, estação climática que começou às sete horas de ontem e se prolonga até o próximo dia 21 de junho, quando começa o Inverno. O fim da chamada estação chuvosa agrava ainda mais a situação no interior do estado, que até ontem, segundo os dados da Defesa Civil, estava com 209 municípios em situação de emergência reconhecida. Até o final do mês, contudo, esse número deverá chegar a 240. A estiagem, considerada pelos especialistas como a maior nos últimos 100 anos, afeta diretamente 3,99 milhões de habitantes na Bahia nos 209 municípios cujos decretos de Situação de Emergência estão em vigor pelo Governo do Estado.

Na última segunda-feira (20), contudo, outros 10 municípios – Livramento de Nossa Senhora, Wanderley, Santo Estevão, Mirante, Retirolândia, Ipecaetá, Rio Real, Campo Formoso, Guajeru e Ouriçangas – encaminharam solicitação para serem incluídos na lista, à Superintendência de Defesa Civil da Bahia (Sudec).Hoje, o Comitê da Seca, com dirigentes de quase todas as secretarias estaduais se reúne para analisar a gravidade da situação. Conforme informações da Sudec, nos 209 municípios em situação de emergência estão 3.993.763 habitantes. Além da ajuda federal em crédito, em 138 municípios estão atuando 1.138 veículos contratados pelo Exército para fornecer água à população através de caminhões-pipas.

Os militares vêm de batalhões na Bahia, Sergipe e Pernambuco. Com a seca, a Embasa já decretou o racionamento de água em 21 municípios no interior do Estado, de forma a garantir o mínimo de reserva de água nos mananciais. Atualmente enfrentam essa situação as cidades de Queimadas, Santaluz, Senhor do Bonfim, Jacobina, Jaguarari, Caldeirão Grande, Andorinha, Itiúba, Ponto Novo, Filadélfia, Seabra, Brotas de Macaúbas, Ibitiara, Novo Horizonte, Bonito, Palmeiras, Tapiramutá, Entre Rios e Morro do Chapéu. Vitória da Conquista e Belo Campo enfrentam o problema desde o ano passado.