file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Politica

Ceará: Camilo Santana (PT) elogia Moro por ajudá-lo no crime organizado

Cultura&Realidade - 09 de Janeiro de 2019 (atualizado 09/Jan/2019 11h46)

file-2019-01-09114442.747950-20181007-camilo-santana_abr19979020-141d-11e9-80ca-f23c917a2cda.jpg

Governador do Ceará Camilo Santana(PT) Foto: José Cruz/Agência Brasil

Em meio a uma crise de segurança que já dura sete dias, o governador do Ceará, Camilo Santana (PT), disse que o ministro da Justiça, Sergio Moro, é um aliado contra o crime organizado. Em entrevista exclusiva concedida por escrito para o UOL, Santana também disse que nenhum estado conseguirá resolver a questão das facções criminosas de maneira isolada.

Desde a noite da última quarta-feira (2), atos criminosos têm ocorrido em várias regiões do Ceará. As ações seriam uma represália ao anúncio feito pelo governo estadual de deixar de dividir os presos por facção nas cadeias cearenses. Até esta terça-feira (8), 168 pessoas haviam sido presas, segundo o governo.

Em razão da onda de crimes, Santana solicitou ao governo federal o envio de tropas da Força Nacional. Atualmente, são cerca de 500 agentes em ação no estado, após autorização de Moro. 

Santana também elogia Moro por ter atendido seu pedido por vagas em presídios federais para os líderes de organizações criminosas. O governador diz ainda que não houve atraso na ajuda solicitada ao governo federal. "[Moro agiu] absolutamente dentro do prazo", afirmou.

 

A seguir, leia a entrevista do governador do Ceará ao UOL:

UOL: Governador, houve reforço nesta segunda no número de agentes da Força Nacional. O senhor considera o novo efetivo total como ideal para acabar com a crise de segurança no estado? Há pretensão de pedir mais agentes a Moro?

Camilo: Tem sido muito importante o apoio do governo federal. Os ministros Sérgio Moro, da Justiça e Segurança, e general Fernando Azevedo, da Defesa, têm sido importantes aliados. Tenho conversado de forma permanente, especialmente com o ministro Moro. Tudo o que for necessário será feito.

O senhor avalia que o ministro Sergio Moro agiu dentro do prazo correto após a demanda feita pelo estado [o pedido foi feito na quinta e atendido na sexta]?

Absolutamente dentro do prazo. Tanto em relação ao pedido de tropas da Força Nacional, quanto ao pedido de vagas nas penitenciárias federais de segurança máxima, para a transferência de líderes criminosos.

 

Bolsonaro elogia ação de Moro sobre ação no Ceará

No Ceará, existem três facções criminosas: PCC, CV e GDE. As três têm características diferentes no crime organizado --enquanto o PCC atua de forma menos violenta, para chamar menos atenção, e exportar drogas a outros países, CV e GDE são mais violentos regionalmente. Mesmo assim, vale uma só medida de ação do estado contra as facções, a de não separar as facções nos presídios? O governo planeja outras ações?

Tratamos criminosos como criminosos. O endurecimento será contra todos que atentarem contra a sociedade. Para isso temos a força do estado, que não é só o governo, mas também a Justiça, Ministério Público e o Poder Legislativo.

É possível banir as facções criminosas do estado do Ceará? O senhor acredita que isso pode acontecer nos próximos 4 anos?

O Estado do Ceará tem investido fortemente há quatro anos para enfrentar o problema. Contratamos quase dez mil profissionais de segurança. Chamamos 600 já este ano e chamarei mais. Quase dobramos a quantidade de agentes penitenciários. Investimos em modernos equipamentos de segurança, mais de 2,1 mil viaturas, aeronaves e em inteligência e tecnologia, além da construção de novos presídios. Neste momento outros estão em construção, inclusive de segurança máxima. Mas, como sempre disse, esse problema do crime organizado é também uma questão nacional. Por isso a importância do envolvimento do governo federal.

Nenhum estado conseguirá enfrentar o problema sozinho. O momento é de união de todas as forças contra o crime, deixando de lado interesses partidários e oportunismo político. A população não merece isso

Governador, o secretário afirmou durante sua posse não reconhecer o poder das facções no estado e disse que o Ceará passaria a deixar de dividir presos por facções. O senhor pretende manter essa decisão?

Minha determinação é de endurecimento contra o crime, dentro e fora das cadeias. Tudo será feito de acordo com estratégias traçadas pelas forças de segurança e administração penitenciária, dentro da lei.

O senhor chegou a discutir o tema, antes ou depois do anúncio, com o secretário? O senhor pretende manter o secretário no cargo?

O secretário Mauro Albuquerque tem minha confiança para implementar as medidas que sejam necessárias para disciplinar o sistema. Fez um grande trabalho no RN e foi convidado para ser secretário no Ceará, por ser um dos maiores especialistas no assunto no país.

Especialistas do Fórum Brasileiro de Segurança Pública afirmaram à reportagem que bastou o discurso do secretário durante a posse para que o crime organizado, que estava rivalizado, se unisse para enfrentar o poder do estado. O senhor concorda com essa avaliação?

Você tem que perguntar isso a quem afirmou. O que posso lhe garantir é que o Estado não será tolerante com o crime.

A administração dos presídios era feita pela Secretaria de Justiça até o ano passado. Por que foi criada a Secretaria da Administração Penitenciária este ano?

Justamente para que essa área, por toda a sua complexidade, tivesse um cuidado ainda maior. A violência que acontece nas ruas, tem ligação direta com o que acontece também no sistema penitenciário. Tem que combater o crime nas duas pontas. Por isso as duas secretarias, de Segurança Pública e Administração Penitenciária.

A transferência de presos começou no último domingo, mas os ataques continuam. A transferência deve conter a crise? O governo estuda novas medidas?

As forças de segurança do Ceará e as tropas federais continuam trabalhando noite e dia para combater o crime. Seremos cada vez mais duros contra os criminosos. Estamos enfrentando essa situação hoje no Ceará para garantir que tenhamos menos violência a médio e longo prazos. O estado não recuará diante do crime. O estado é mais forte.

Da redação, com informações do site Uol