file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Politica

Cassação do diploma de três políticos baianos é pedida pela PRE

Cultura&Realidade - 27 de Dezembro de 2018 (atualizado 27/Dez/2018 17h43)

file-2018-12-27143013.818574-Untitled-1119a463a-09fd-11e9-891e-f23c917a2cda.jpg

Luizinho Sobral(PODE), Charles Fernandes(PSD) e Pastor Tom (PATRI). Foto: Divulgação

Mais três políticos baianos eleitos em 2018 podem ter seus diplomas cassados a partir de processo movido pelo Ministério Público Eleitoral, por meio da Procuradoria Regional Eleitoral na Bahia (PRE/BA). Para a procuradoria, o Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE/BA) deve cassar os diplomas eleitorais conferidos a Charles Fernandes, eleito deputado federal suplente pelo PSD; Pastor Tom (PATRI), eleito deputado estadual; e Luizinho Sobral (PODE), deputado estadual suplente. Os dois primeiros tiveram sua inelegibilidade configurada ou confirmada após as eleições, e o terceiro não preencheu todas as condições para elegibilidade.

Charles Fernandes tornou-se inelegível após ser condenado por abuso de poder político em benefício pessoal ou de terceiros, quando deixou a prefeitura de Guanambi em 2016.

Sobral foi condenado por decisão colegiada do TRE em 29 de agosto, por uso indevido dos meios de comunicação e abuso de poder. 

Já Pastor Tom registrou seu pedido de candidatura a deputado estadual sem comprovar sua filiação ao partido Patriota, exigência dispensada pelo TRE devido à sua alegação de que seria policial militar da ativa. No entanto, uma representação enviada à PRE informou que o político é vereador no município de Feira de Santana e por isso está afastado da Polícia Militar. Para a PRE, o candidato induziu o TRE ao erro. O TRE deve analisar os pedidos da PRE e decidir, ou não, pela cassação dos diplomas. 

Da redação, com informações do site Bocão News