ARTIGO

CANDIDÍASE: Como a Nutrição pode ajudar?

Cultura&Realidade - 13 de Agosto de 2019 (atualizado 13/Ago/2019 10h12)

file-2019-08-13101125.811700-okokokkokokodac8ecfa-bdcb-11e9-b6ac-f23c917a2cda.jpg

Candidíase vulvovaginal  - Foto: Naiara Santana de Souza

Por: Naiara Santana de Souza*

A candidíase vulvovaginal é determinada por uma infecção fúngica na mucosa genital da mulher. Os sintomas clínicos dependem do nível e da localização da infecção que pode manifestar na vulva, vagina ou até no colo uterino, em virtude de leveduras. Apresentando coceira, dor, edema, ardor, corrimento branco com ou sem grumos, dentre outros, sendo eles isolados ou associados.

A queda do sistema imune e o descontrole do trato gastrointestinal, estão relacionados aos episódios de candidíase recorrente, uma vez que a propagação invasiva do fungo está associada ao aumento da colonização da flora local, levando a depleção de nutrientes.

O tratamento desta patologia, no que refere a nutrição, consiste na ingestão de alimentos que possuem capacidade antifúngica como: alho, cebola, gengibre, azeite de oliva, o acréscimo de fibras, como também as amêndoas por conter propriedades probióticas, que atuam no controle da proliferação antifúngica.

É fundamental evitar o consumo de alguns de alimentos durante o tratamento: leites e derivados, carboidratos refinados, bebidas alcoólicas, condimentos, massas acrescidas de fermento entre outros, que favorecem a proliferação fúngica, até que o organismo se estabilize.

Os cuidados com a alimentação são extremamente importantes, é necessária uma avaliação cuidadosa, para determinar os fatores de riscos contribuintes e documentar, assim relacionar de forma correta a intervenção nutricional e formular metas e estratégias a seguir para evitar erradicação.

(*) Nutricionista, Pós Graduanda em Nutrição Clínica e Hospitalar.