BRASIL

Cai a produção industrial em dois estados devido ao desastre em Brumadinho, diz IBGE

Cultura&Realidade - 10 de Abril de 2019

file-2019-04-10155734.407515-brumadinho-1-180325a94-5bc2-11e9-bab9-f23c917a2cda.jpg

Na Bahia houve um recuo de 6,5% na produção industrial Foto: Divulgação

A produção industrial nos estados do Espírito Santo e Minas Gerais recuou 9,7% e 4,7%, respectivamente, no mês de fevereiro. Foram as maiores quedas em relação a janeiro observadas na Pesquisa Industrial Regional, divulgada nesta terça-feira (9) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em nota, o analista da pesquisa, Bernardo Almeida, declarou que a queda na produção de minério de ferro, após o rompimento da barragem do Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), pressionou o resultado dos dois estados.

“O acidente provocou recuos na produção tanto em Minas Gerais quanto no Espírito Santo, que, pela proximidade, também foi afetado. A queda foi mais intensa na indústria capixaba, porque houve também diminuição na produção de derivados de petróleo e gás, além do fato de a indústria do estado ser menos diversificada que a mineira”, comentou no comunicado do IBGE.

Produção subiu na maioria dos locais pesquisados

A indústria do país avançou em nove estados pesquisados e recuou em outros seis, fazendo o setor crescer 0,7% em fevereiro.

A indústria paulista, que representa cerca de 34% da produção nacional, cresceu 2,6% em fevereiro em relação a janeiro, a maior expansão desde junho de 2018, quando havia registrado 13,7%. Segundo o IBGE, o resultado veio principalmente do aumento na produção automobilística.

Veja os locais que tiveram alta na produção industrial em fevereiro:

  • Bahia, 6,5%
  • Região Nordeste, 6,2%
  • Pernambuco, 5,9%
  • São Paulo, 2,6%
  • Mato Grosso, 1,7%
  • Amazonas, 1,5%
  • Paraná, 1,1%
  • Ceará, 1,1%
  • Santa Catarina, 0,5%

Veja os estados que tiveram queda na produção industrial em fevereiro:

  • Espírito Santo, 9,7%
  • Minas Gerais, -4,7%
  • Goiás, -2,6%
  • Rio de Janeiro, -2,1%
  • Rio Grande do Sul, -1,4%
  • Pará, -0,1%

Da redação, com informações do G1