file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

AMBIENTE

Brasil reduz emissão de gases do efeito estufa

Cultura&Realidade - 24 de Novembro de 2018 (atualizado 24/Nov/2018 10h25)

file-2018-11-24102439.083933-poluicao4b621a12-efec-11e8-9991-f23c917a2cda.jpg

O Brasil reduziu em 2,3% a emissão de gases do efeito estufa no último ano Foto: Lessandro Ferrari

O Brasil reduziu em 2,3% a emissão de gases do efeito estufa no último ano, apontam dados do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (Seeg), do Observatório do Clima, divulgados nesta quarta-feira (21). Em 2017, foram 2,071 bilhões desse tipo de gás na atmosfera lançados pelo Brasil - valor abaixo dos 2,119 apontados no ano anterior.


A pesquisa aponta que essa queda deve-se, principalmente, à redução do desmatamento na Amazônia, que recuou 12% no ano passado. As emissões brutas por perda de floresta na Amazônia caíram de 601 milhões de toneladas de gás carbônico no ano retrasado para 529 milhões em 2017. Os números refletiram nas emissões por "mudança de uso da terra" - termo técnico relacionado ao desmatamento - que recuaram 5,5%.
Apesar dos recuos, a redução da emissão de gases do efeito estufa poderia ter sido maior, não fosse o aumento de quase 11% no desmatamento no Cerrado neste mesmo período. A atividade refletiu em aumentos das emissões de gases-estufa no bioma, que subiram de 144 milhões para 159 milhões de toneladas de gás carbônico.


"Desde 2010 as emissões estão patinando no mesmo nível, por um misto da conjuntura econômica e da gangorra do desmatamento", disse Tasso Azevedo, coordenador técnico do Seeg, em nota. "Apesar da redução do desmatamento na Amazônia, houve aumento no Cerrado e depois de dois anos de queda as emissões dos outros setores voltaram a crescer. As emissões brutas per capita do Brasil ainda são maiores do que a média mundial".
Segundo o Seeg, a redução do desmatamento na Amazônia e a consequente diminuição nas emissões de gás carbônico estão diretamente relacionadas a maior fiscalização por parte do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis).
 

A atividade agropecuária, segundo o Seeg, é a que mais contribui pelas emissões de gases do efeito estufa no Brasil. O setor reponde por 71% de todo o gás carbônico emitido no país, levando em consideração questões diretas, como o metano produzido pelos rebanhos bovinos, e indiretas, como o desmatamento.


O estudo aponta ainda que, se o agronegócio brasileiro representasse um país independente, essa nação seria a oitava mais poluidora do mundo, à frente de países como o Japão. No último ano analisado pelo estudo, entretanto, o setor reduziu a emissão de gases do efeito estufa. No rebanho bovino, a redução foi de 1,5% em relação a 2016, contrastando com o aumento de 4% nos abates e de 7% na exportação de carne.


Além do agronegócio, o setor de energia também foi responsável por parte considerável da poluição acumulada em 2017. Só o transporte foi responsável por cerca de 10% de toda a emissão de gases do país. As emissões relacionadas a geração de eletricidade também aumentaram em função da menor efetividade das usinas hidrelétricas, o que aumenta a utilização de termoelétricas.

Da redação, com informações do site Uol