Economia

BNDES apresenta detalhamento de ações para conter impacto do coronavírus na economia

Cultura&Realidade - 30 de Março de 2020

file-2020-03-30115455.044951-Design_sem_nome_116ac957de-7296-11ea-9b89-f23c917a2cda.jpg

Os próximos passos para a medida são a definição e disciplina das condições gerais do programa - Foto: Ilustração

O Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES) detalhou no último domingo (29) a segunda rodada de medidas para conter os impactos da economia em virtude da pandemia do novo coronavírus.
A principal medida foi a cessão de R$ 40 bilhões para crédito em folha de pagamentos para pequenas e médias empresas. Sem restrição de crédito, empresas com faturamento anual entre R$ 360 mil e R$ 10 milhões terão acesso a linha de crédito, com taxa fixada em 3,75% ao ano, seis meses de carência e 30 meses para quitação. As empresas não vão poder demitir por dois meses.

 

Os próximos passos para a medida são a definição e disciplina das condições gerais do programa, o depósito dos recursos do Tesouro Nacional e demais trâmites.

 

Outra ação é a suspensão do fluxo de pagamentos, conhecido como "standstill" para as operações diretas com o BNDES no valor de R$ 19 bilhões. Entre os pontos, estão a suspensão integral de juros e principal por 6 meses, capitalização no saldo devedor e limitação de dividendos ao mínimo legal.

 

Com o investimento de R$ 11 bilhões,  as operações indiretas também vão ter suspensões por seis meses. Outros R$ 5 bilhões vão ser direcionados para o capital de giro de micro, pequenas e médias empresas. O limite por cliente é de R$ 70 milhões, carência de até 24 meses e prazo total até 60 meses. A empresa interessada não precisa especificar destinação dos recursos.

 

Com investimento total de R$ 2 bilhões, o BNDES também indicou crédito livre e apoio direto para empresas que montem e disponibilizem leitos emergenciais; prestem serviços de saúde, privada com ou sem fins lucrativos, em regiões com menor infraestrutura de saúde; produzam, importem ou comercializem respiradores, máscaras, monitores e outros; adaptem ou convertam suas linhas de produção para atividades de saúde.

 

Ainda de acordo com o órgão, ações voltadas para o setor aéreo e o setor público estão em construção.
Com conteúdo de Bahia Notícias