file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Cultura, Esporte e Lazer

Bens móveis de Capela do século XIX em Xique-Xique, são restaurados pelo IPAC

06 de Dezembro de 2016 (atualizado 08/Fev/2017 00h03)

file-2017-02-07220344.353205-restauro40e60679e-ed92-11e6-ae56-047d7b108db3.jpg

Foto: a capela foi construída em 1811 e recebeu tombamento provisório do Ipac em 2013 (Divulgação)

Da Secom/BA

Especialistas da Coordenação de Restauro de Elementos Artísticos do Instituto do Patrimônio Artístico e Cultural (Ipac), unidade da Secretaria de Cultura (Ipac), finalizam, até o próximo dia 15, as intervenções de restauro nos bens móveis e integrados da capela de Senhora Santana, em Xique-Xique (noroeste baiano), localizada na Ilha de Miradouro e inaugurada em 1811, sendo tombada provisoriamente pelo Ipac em 2013. Desde o tombamento, o patrimônio passa por intervenções. “Quando encontramos a igreja, ela estava com muitos danos. Nesse período, foram feitas obras na estrutura, no telhado, retirada de água acumulada, implantação de forros de fibra de vidro na capela mor e camarinha, além de reparo de rachaduras”, afirma a restauradora Célia Moura. Uma equipe multidisciplinar do Ipac se deslocou para o município com objetivo de completar o restauro em cerca de mais um mês, desta vez, dos bens móveis e integrados do templo. “Conhecemos bem o local e sabemos das necessidades. Julgamos que o frontão do altar é o mais importante a ser trabalhado agora”, diz Célia. A ação integra o sistema institucional de parcerias que o instituto criou e que envolve prefeituras, dioceses das igrejas e comunidades, entre outros agentes. A edificação, que estava em alto nível de deterioração, é um marco para o município e a região, pois atrai fiéis de toda a Bahia e possui singularidades artísticas e arquitetônicas, apesar do aspecto simples, com robustos cunhais, porta central e duas janelas. “O local também é importante pela sua relação com o Rio São Francisco, devido ao culto da fé, à cidade de Xique-Xique e às características físicas tão próprias do prédio”, enfatiza a especialista.