file-2017-02-08175959.335653-Banner-CR-topo-notcia_22b9a9f62-ee39-11e6-aece-047d7b108db3.jpg

Bahia

Bahia: Seca leva Governo Federal a reconhecer situação de emergência em seis cidades

18 de Julho de 2017 (atualizado 18/Jul/2017 11h07)

Foto: Seca atinge diversas regiões do país

Foto: Seca atinge diversas cidades da Bahia. (Reprodução/EBC)

Redação Cultura&Realidade - Por Alles Alves

Belo Campo, Crisópolis, Ibipitanga, Remanso, São Domingos e Teofilândia foram as cidades baianas que tiveram a situação de emergência reconhecida pelo governo federal na última segunda-feira (17). O Ministério da Integração Nacional publicou as medidas decorrente do extenso período de estiagem. De acordo com publicação do site G1, o reconhecimento vai permitir que as cidades afetadas por desastres naturais possam solicitar o apoio da Secretaria Nacional de Proteção e Defesa Civil (Sedec) para ações de socorro, assistência, restabelecimento de serviços essenciais e recuperação de áreas públicas danificadas.

Ainda conforme o site, a portaria tem vigência de 180 dias e segue critérios fixados pela Instrução Normativa nº 2, que define procedimentos da Defesa Civil Nacional para o reconhecimento de situação de emergência ou de estado de calamidade pública decretada por municípios, estados e Distrito Federal. Para obter apoio material e financeiro do Ministério da Integração Nacional para ações emergenciais, os municípios devem apresentar um relatório com diagnóstico dos danos e o Plano Detalhado de Resposta (PDR), por meio do Sistema Integrado de Informações sobre Desastres (S2ID). Após análise da Sedec, o Ministério da Integração define o valor do recurso a ser disponibilizado.

Situação de emergência no Brasil - Foram 21 cidades que tiveram a situação de emergência reconhecida na segunda-feira (17) em todo o país, conforme publicação no Diário Oficial da União. A estiagem também afeta os municípios mineiros de Coração de Jesus, Jacinto, Mata Verde e Medina, além de Pedro II, no Piauí. No Rio Grande do Sul e em Santa Catarina, Santa Cruz do Sul (SC), Atalanta (SC), Correia Pinto (SC) e Ipumirim (SC) tiveram transtornos causados pelas chuvas intensas que danificaram diversas estruturas públicas.

Assim como em Rosário do Sul (RS), cujo reconhecimento foi em função das enxurradas, em Rio dos Índios de vendaval, e em Imigrante (RS) por conta de deslizamentos. Os municípios de Beruri e Itacoatiara, no Amazonas, também obtiveram a medida devido às inundações. Já a capital alagoana, Maceió, em função dos alagamentos.

Irecê e região - Apesar dos indicativos do Ministério da Integração Nacional não ter colocado cidades da região de Irecê em situação de calamidade, a previsão de chuvas para a região durante o mês de julho é quase inexistente, segundo dados da agência Climatempo. Contudo, a sensação de frio se estenderá até agosto e as médias durante a noite se manterão na base dos 17° C. Além disso, o Monitor de Secas do Nordeste do Brasil, fazendo uma análise do mês de junho na Bahia, reconheceu que a seca no Território de Irecê ainda é uma situação excepcional, ou seja, está no estado mais grave que uma estiagem pode atingir em determinada região.


Foto: Algumas cidades da região de Irecê estão localizadas dentro da área onde a seca é considerada excepcional, ou seja, muito grave. (Reprodução/MSNB)

*Com informações do G1BA.